Consulta de CPF – TUDO o que você precisa saber

O CPF é um documento formado por 11 dígitos que identificam informações dos cidadãos brasileiros na Receita Federal. Ele é o principal cadastro de pessoas físicas do Brasil e funciona como a base de dados sobre rendimentos, débitos e movimentações financeiras em geral. 

O CPF é o documento responsável por agrupar os dados de pessoas físicas e informá-las para a Receita Federal, facilitando assim a conferência do Imposto de Renda. Além de identificar dados pessoais, o CPF é usado na maioria das operações bancárias, matrículas escolares e inscrições em concursos públicos.

A obrigatoriedade desse documento faz dele uma excelente fonte de dados para informar a movimentação de uma pessoa, seus hábitos financeiros e sua situação junto aos órgãos públicos.

Como surgiu o CPF
Consultar CPF na Receita Federal
Como regularizar o CPF?
O que significa CPF válido?
Segunda via do CPF
SPC e Serasa
Cadastro positivo
Limpar o nome
Como consultar o CPF
Verificar CPF e validar dados
Consultar CPF pelo nome
Consultar CPF pelo telefone
Consultar CPF pelo endereço
Enriquecer dados usando o CPF
Higienizar dados usando o CPF


Como surgiu o CPF?

Já parou para pensar em como é difícil reunir as informações de cada pessoa nascida no Brasil? Até o ano de 1968, o processamento das declarações de imposto de renda era feito através de equipamentos mecânicos operados por técnicos especializados.

Por causa disso, não existia uma rotina única ou uma padronização para realizar os processos. Tudo isso tornava quase impossível atender a demanda nacional que só crescia. Foi então que a mudança para um método eletrônico passou a ser a melhor alternativa.

Anteriormente havia o Registro de Pessoas Físicas que, em 29 de novembro de 1968, se tornou o que conhecemos atualmente como o Cadastro de Pessoas Físicas (CPF). A princípio o objetivo era facilitar a busca por informações dos declarantes do imposto de renda, centralizando-as em uma só fonte.

Com o passar dos anos, ele foi se tornando um documento que centraliza dados. Atualmente, ele é um dos documentos mais importantes, sendo incluído até mesmo em  certidões de nascimento mais atualizadas.


Consultar CPF na Receita Federal

Você com certeza já ouviu falar sobre a consulta do CPF na Receita Federal. Mas, você sabe o que ela significa de fato? Já sabemos que esse documento foi criado para auxiliar no processamento do Imposto de Renda. Por causa disso, o CPF recebe também um tipo de status que identifica sua situação perante a Receita. Saber qual é o estado do seu CPF é bem simples. Através do site da Receita, é possível emitir gratuitamente o comprovante de situação cadastral e conferir a regularidade do seu documento.

Ao consultar o CPF na Receita Federal, o status pode variar de acordo com sua declaração de rendimento. Existem 5 classificações para o CPF, sendo elas:

1- CPF Regular

A identificação de CPF regular significa que não existe nenhum tipo de pendência. Isso inclui os dados cadastrais e entrega do Imposto de Renda.

2- CPF Pendente regularização

Nos casos onde o CPF consta como pendente regularização, existe algum tipo de irregularidade. Na maioria dos casos esse status identifica casos onde alguma declaração do Imposto de Renda não foi feita, até mesmo para os casos onde o contribuinte era isento. Esse tipo de declaração isenta foi extinta em 2007. Então somente casos anteriores a essa data podem tornar o CPF pendente.

3- CPF Suspenso

O CPF suspenso identifica que existe algum erro no cadastro. Uma troca de letras, erros de digitação ou confusão de números podem ocasionar esse tipo de status.

Fique atento! Mesmo que seu CPF esteja com os dados corretos, se o seu título de eleitor estiver com algum tipo de inconsistência ou até mesmo cancelado, você corre o risco de ter o CPF suspenso. Isso acontece porque a Receita Federal cruza os dados dessas duas bases e, quando eles estão diferentes, a situação cadastral é considerada suspensa.

4- CPF Cancelado

Quando um CPF consta como cancelado, existem dois principais motivos: o contribuinte que é titular do CPF pode ter falecido ou o cancelamento pode ter sido autorizado por algum tipo de decisão judicial ou administrativa.

5- CPF Nulo

Se um registro de CPF possui algum tipo de fraude, como dados duplicados ou informações falsas, ele é automaticamente anulado pela receita Federal e identificado como nulo.


Como regularizar o CPF?

Os casos onde o CPF consta como suspenso ou pendente regularização podem ser revertidos para regulares. Para que isso aconteça, existem alguns procedimentos de acordo com cada caso.

Quando o documento se encontra suspenso, é possível regularizá-lo sem sair de casa, através do site da Receita Federal. Basta preencher esse formulário com os dados corretos, tomando cuidado para que não aconteçam novos erros de digitação. Caso o CPF continue suspenso após esse processo, o próximo passo é ir até um Cartório Eleitoral e verificar os dados que estão no registro de seu título de eleitor. Quando a inconsistência não está na base da Receita Federal, ela pode estar ligada a esse documento.

Nos casos onde o CPF se encontra pendente, o processo é ainda mais simples. Se o único problema é a falta de entrega da Declaração do Imposto de Renda, basta enviá-la, mesmo que após o prazo final. Para baixar o programa de envio é só acessar esse link.

Caso existam outras irregularidades no documento, será necessário fazer o pedido de regularização do CPF. Como o site da Receita aceita apenas os pedidos de CPF’s suspensos, o processo é um pouco diferente. Você vai precisar:

  • Ir até uma agência do Banco do Brasil, da Caixa Econômica Federal ou dos Correios
  • Levar a certidão de nascimento, número do CPF e título de Eleitor
  • Pagar uma taxa de R$7,00
  • Acompanhar o processo de regularização aqui

Como cada contribuinte só pode ter um número de CPF, os documentos com status cancelado não podem ser recuperados, exceto em casos muitos específicos determinados por lei.

O que significa CPF válido?

Além dos status fornecidos pela Receita Federal, é muito comum em operações de crédito e cobrança usar a expressão CPF válido. Apesar de, muitas vezes, esse ser apenas mais um jeito de se referir ao estado na Receita, existe também outro significado para o CPF válido.

No Brasil existem mais de 200 milhões de CPF’s e todos eles são diferentes. Pode parecer difícil criar tantas variações para o documento, mas como parte da numeração é criada com base em informações pessoais, tudo se torna mais fácil.

Para ficar mais claro, confira o passo a passo para criação de um CPF:

  1. Escolher 8 números aleatórios
  2. Identificar no dígito 9 a região fiscal onde o documento foi tirado
  3. Incluir o dígito 10 e 11 que serão verificadores do CPF

A forma como um CPF é construído funciona como uma espécie de validador para o documento. Para saber se um CPF é válido, basta realizar a comparação com a fórmula preestabelecida para escolha dos dígitos verificadores e a região fiscal. Porém, a codificação dos dígitos verificadores é um pouco complexa e validá-la manualmente pode demorar. A boa notícia é que já existem sites gratuitos como esse aqui, por exemplo, que fazem essa conta em segundos 🙂

Muitos sistemas já fazem a verificação automática do CPF quando colocado em formulários, mas se esse não é o seu caso, usar ferramentas como a que indicamos pode auxiliar na prevenção à fraude.

Segunda via do CPF

Até 2011, ao tirar o CPF era emitido um cartão físico, similar a uma carteirinha escolar. Em 2015, o documento passou a fazer parte da certidão de nascimento, não sendo mais necessário realizar a inscrição posteriormente. Já as pessoas que se inscreveram no cadastro de pessoas físicas entre essas datas, recebiam apenas o número do CPF e a opção de fazer um novo RG que já incluísse o CPF.

Para que as pessoas pudessem ter acesso ao CPF físico e sua segunda via, passou a ser disponibilizado no site da Receita Federal a opção de impressão do documento. O serviço está disponível tanto para pessoas que não declaram o imposto de renda, quanto para os declarantes através de dois diferentes processos.

Segunda via do CPF – Não declarantes IRPF

  1. Acessar aqui o site da Receita Federal
  2. Preencher os dados pessoais solicitados
  3. Imprimir o cartão CPF

Se você quer imprimir a segunda via do seu CPF mas não sabe o número do título de eleitor, é possível consultá-lo aqui pelo nome.

Segunda via do CPF – Declarantes IRPF

  1. Acessar aqui o site da Receita Federal
  2. Gerar o código de acesso
  3. Acessar aqui o e-CAC
  4. Imprimir o cartão CPF


SPC e Serasa

Assim como o CPF  é usado para reunir dados e identificar as entregas do IRPF, ele também reúne informações sobre o comportamento financeiro das pessoas físicas. É através desse documento que é possível consultar se uma pessoa possui débitos em aberto e qual o seu histórico no mercado. O SPC e o Serasa são instituições que recebem e tratam esses dados para fornecer consultas para o varejo, bancos e outros negócios que utilizam a análise de crédito.

Apesar de atuarem de maneira parecida, o SPC e o Serasa possuem diferenças por conta do processo de criação.  Entenda a história de cada um deles e qual seu impacto nas características atuais.

SPC

O SPC foi criado a partir de uma necessidade básica das empresas: a informação. Imagine que você precisa fazer uma venda a prazo. Atualmente, você teria como consultar se aquela pessoa já deve para alguém e, a partir disso, provavelmente não faria negócio. Antes da existência das bases de devedores, essa decisão era feita através da confiança e você pode imaginar o tamanho dos prejuízos.

Não existia uma forma das empresas se comunicarem afim de saber de um consumidor já havia feito outras compras e deixado de pagar, tão pouco um lugar onde os dados dessa pessoa estivessem para localizá-la. Foi a partir dessa situação que algumas empresas se uniram para registrar os bons e os maus clientes, baseando-se em seu histórico de pagamentos. Essa troca de informações se tornou o que conhecemos hoje como o SPC.

Esse formato de criação fez com que o SPC fosse se tornando uma base de dados que recebe em primeira mão as informações de débito que vem do varejo. Isso não significa que as informações de bancos não estejam no SPC, essas informações também são coletadas, porém não tão rapidamente quanto do varejo. Isso acontece porque a união das empresas que deu origem ao SPC, também deu origem à Câmara de Dirigentes Lojistas, o CDL. As empresas que são filiadas ao CDL alimentam o banco de dados do SPC diretamente, tornando-o uma base muito atualizada nesse segmento.

Serasa

O Serasa possui uma formação um pouco diferente.  Ele foi constituído a partir  de uma parceria da Associação de Bancos do Estado de São Paulo (Assobesp) com a Federação Brasileira das Associações de Bancos (Febraban) e, por isso, se tornou uma das bases mais conhecidas para débitos bancários. Assim como o SPC recebe em primeira mão as informações de dívidas não pagas do comércio, o Serasa é o primeiro a ser informado quando um débito financeiro não é quitado.

Ainda que a origem dos dois birôs de crédito os torne conhecidos por oferecer informações de determinados segmentos, é importante lembrar que a disponibilidade de informação em cada um deles varia de acordo com o pedido de negativação. Ou seja, se um determinado lojista opta por negativar uma pessoa apenas no Serasa, ele poderá fazer sem nenhum problema e essa informação não necessariamente estará disponível no SPC.


Cadastro positivo

Assim como existem as bases de registros negativos, em 2011 foi criado o cadastro positivo. Até então só era possível consultar se uma pessoa possuía débitos em seu nome e, na maioria das vezes, as operações de crédito já eram automaticamente negadas ou oferecidas a taxas altíssimas.

O cadastro positivo foi criado com o intuito de tornar a análise de crédito mais assertiva. Através dele é possível saber o histórico de pagamentos como um todo e quais os hábitos de uma pessoa. A partir disso, é determinado se trata-se de um bom ou mau pagador, ou seja, além de uma restrição em nome, é levado em conta também como a pessoa se comporta no mercado financeiro.

Mas, o que isso muda? As pessoas que sempre mantiveram sua vida financeira em dia, mas tiveram um problema pontual e acabaram com o nome negativado, poderão ter crédito por demonstrarem que são bons pagadores. Já as pessoas que não possuem o nome sujo e são bons pagadores, passarão a ter juros menores por seu histórico.

A desvantagem do cadastro positivo é que não existe uma regulamentação que especifique todas as informações que podem ser usadas a partir desse cadastro. Tornando-se um pouco incerto o destino das informações disponibilizadas.

Já estão disponíveis em algumas instituições a inscrição no cadastro positivo, sendo o mais conhecido o do Serasa Consumidor. O cadastro está disponível nesse link e é gratuito.

Limpar o nome

Quando um débito é registrado em um CPF ele passa a estar negativado ou, como é conhecido popularmente, se torna um nome sujo. Essa identificação vem da ideia de que aquela pessoa ficou manchada no mercado por ter deixado de pagar alguém.

Por sorte, essa situação não é definitiva. Para limpar o nome nos casos de débitos que ainda não foram protestados o processo é bastante simples. Basta realizar o pagamento, guardar o comprovante e aguardar a retirada do débito em até 5 dias úteis.

Já para os casos protestados o processo é um pouco mais complicado. Os passos para limpar o nome nessa situação são:

  1. Descubra qual é a empresa que realizou o protesto
  2. Procure o setor financeiro para realizar o pagamento
  3. Após o pagamento, peça um certificado do valor pago
  4. Leve ao cartório para que o débito seja retirado

É importante saber que, como já existem sistemas especializados em consultar o histórico financeiro dos consumidores, é importante evitar a negativação. Apesar de existir a opção do cadastro positivo, ter o nome sujo por muitas vezes pode pesar bastante na análise final de um crédito.


Como consultar o CPF

Como entendemos anteriormente, a consulta de CPF precisa de uma boa base de dados para ser feita. Isso tanto porque existem informações que não estão disponíveis para qualquer pessoa, quanto porque procurar as informações que são públicas uma a uma seria um processo extremamente demorado.  Pensando no caso de empresas, que precisam realizar diversas consultas por dia, seria quase impossível existir sem uma boa ferramenta para consultar o CPF antes de uma operação.

Um exemplo de serviço para consulta de CPF, voltada para empresas, é a ferramenta Crédito. Através dela é possível obter um resumo completo sobre o histórico de crédito de uma pessoa, variando de acordo a necessidade de cada cliente. O processo de consulta é bem simples, feito por um portal online e que pode ser acessado de qualquer lugar com segurança.

As opções de consultas variam desde participações em empresas ao score de crédito. A ideia é não só fornecer informações sobre negativação, mas trazer maior tranquilidade na operação de nossos clientes.

Se você é uma pessoa jurídica e quer saber mais sobre nossa ferramenta, teste grátis aqui 🙂


Verificar CPF e validar dados

Sabemos agora que o CPF centraliza muitas informações sobre um cidadão. É através dele que as empresas poderão saber mais sobre sua situação financeira, histórico de pagamentos e regularidade fiscal. Para chegar a todas essas características, é necessário verificar o CPF em diferentes bases , que têm o papel de cruzar dados e fornecer o máximo possível de informações.

Existem algumas opções no mercado de ferramentas para verificar um CPF. Esse processo é formado não só pela busca por restritivos, como também pela aquisição de dados que podem ser úteis para validação cadastral. As consultas realizadas por soluções como a Crédito e o Localize, da Assertiva, retornam não só restrições em nome como também endereços registrados, telefones e pessoas relacionadas. A adição dessas informações podem facilitar o cadastro de um novo cliente e também facilitar a validação dos dados fornecidos por ele, ajudando na detecção de possíveis fraudes.

Você deve estar se perguntando: como os dados do CPF podem ajudar a prevenir uma fraude? Na realidade, é bem simples.  De maneira geral, confrontar informações como endereço, nome, telefones e parentes pode ajudar bastante na detecção de possíveis problemas. Para operadores mais analíticos, é possível reparar também em detalhes como o signo ou fazer ligações entre a naturalidade e um sotaque, por exemplo.


Consultar CPF pelo nome

Além das conhecidas consultas de restritivos, existem consultas que podem fornecer informações importantes para reduzir riscos em operações de crédito. Não importa qual o segmento do negócio, provavelmente existem operações que dependem de confiança no cliente ou fornecedor. É nesse momento que validar todas as informações passadas faz toda a diferença.

Diferente das consultas por restritivos, esse tipo de consulta pode ser feita usando dados diferentes do CPF. A busca através de ferramentas como Localize pode ser feita, por exemplo, utilizando o nome da pessoa que você deseja encontrar. A partir dessa chave, será feita uma busca completa por tudo relacionado a esse nome na base de dados.

A desvantagem de consultar CPF pelo nome é que, em casos de nomes muito comuns, será preciso triar os resultados até chegar na pessoa correta. Porém, ainda assim, esse tipo de consulta se torna vantajosa por oferecer como resultado os dados completos da pessoa usando apenas um dado muito mais comum em cadastros que o CPF. esse recurso também pode ser útil para localizar alguém a partir de suas pessoas relacionadas por sobrenome ou endereço, facilitando assim as ações de cobrança ou vendas.


Consultar CPF pelo telefone

Assim como o nome, um número de telefone pode ser a chave para localizar alguém. Como você deve saber, para uma linha telefônica existir aqui no Brasil, é necessário que exista um registro em nome de pessoa física ou jurídica. Essa necessidade faz com que existe um banco de dados com a relação de números e seus proprietários. Todas essas informações podem ser encontradas utilizando o número de telefone como chave de busca, através de soluções como o Localize.

A busca do CPF pelo telefone pode ser útil também em casos onde o proprietário do número não é a pessoa que precisa ser localizada.  Isso porque, provavelmente, essas duas pessoas já tiveram algum tipo de ligação, seja parentesco ou a compartilhamento de endereço. Dessa forma, mesmo que não seja possível realizar um contato, será possível colher maiores informações e até mesmo checar se existe mais algum telefone relacionado que possa ser útil.


Consultar CPF pelo endereço

O endereço é um dos dados mais utilizados em cadastros dos mais diversos tipos. Através dele é possível também localizar outras informações sobre uma pessoa. Pense nos casos onde existe um endereço, mas os outros dados pessoais não estão no cadastro. Na opção mais otimista, esse ainda será o endereço correto da pessoa mas, dependendo do tempo de cadastro, isso pode ter mudado. Essa é uma das situações que a consulta do CPF pelo endereço pode ajudar.

Assim como a consulta por nome e telefone, consultar o CPF pelo endereço só é possível através dos chamados birôs de dados. Isso acontece por motivos de segurança, já que são dados confidenciais e que devem ser protegidos.

Enriquecer dados usando o CPF

Como entendemos até aqui, o CPF reúne diversas informações sobre uma mesma pessoa. Por essa característica, ele é uma ótima ferramenta para enriquecer uma base de dados. Mas, como assim? Imagine que você recebeu, por exemplo, uma lista de pessoas que podem ser potenciais clientes para o seu negócio. Porém, a lista só informa o CPF dessas pessoas. Nesse caso, a melhor opção seria encontrar mais informações sobre cada contato e, só então, iniciar um processo de vendas.

Procurar manualmente mais dados relacionados a um CPF é uma tarefa quase impossível. Principalmente quando falamos de listas com milhares de contatos. Por sorte, o enriquecimento de dados pode ser feito de maneira automatizada, utilizando ferramentas como o Base Certa. Por ser constituída por uma imensa base de dados, ela é capaz de fornecer todos os dados disponíveis para um mesmo CPF, em alguns instantes.

No caso do enriquecimento de dados, o processo funciona da seguinte maneira:

  1. Envio da lista com números de CPF
  2. Busca por dados correspondentes a cada documento
  3. Enriquecimento da lista inicial com os novos dados
  4. Devolução da lista já com dados completos


Higienizar dados usando o CPF

Assim como os casos onde apenas o CPF é fornecido, existem as listas que já possuem os dados completos de clientes ou devedores. Mesmo esse tipo de base de dados pode se tornar desatualizada com o tempo ou não possuir todas as informações necessárias. Nesse caso, de nada adiantaria o enriquecimento, já que ele não seria capaz de dispensar os dados que já foram utilizados sem sucesso. Por isso, para manter a atualização de uma base, higienizar dados usando o CPF é a melhor opção.

A higienização de dados consiste em procurar dados diferentes dos que já existem em uma base. Ou seja, se um telefone já está registrado, você tentou contato e não obteve resultado, você precisa de um telefone diferente, não é mesmo? Assim, ao higienizar dados através de um CPF, é possível criar a chamada “black list” que é, basicamente, uma lista de dados que não interessam naquele momento.

Resumidamente, a higienização de dados é feita nos seguintes passos:

  1. Envio de lista com CPF e dados da black list
  2. Busca por dados diferentes dos apontados
  3. Higienização da lista, deixando apenas os dados atualizados
  4. Devolução da nova lista

Quer acompanhar os conteúdos do nosso blog?

Se você gostou deste artigo, o que acha de receber em seu e-mail nossos conteúdos? Para se inscrever em nossa newsletter e conferir tudo em primeira mão, clique aqui.

Se você quer testar gratuitamente nossas soluções em sua empresa, inscreva-se aqui.

Ficou com alguma dúvida em relação ao CPF? Deixe seu comentário e responderemos em breve 😀

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *