Quais os riscos ao aceitar veículos como entrada de imóveis?

Os veículos são uma opção de entrada na compra de imóveis. Mas, quais são os riscos dessa forma de pagamento? Conheça os pontos negativos e como evitá-los.

Para os corretores imobiliários, é muito importante trabalhar com possibilidades diversificadas de pagamento para facilitar a negociação de imóveis. Um dos recursos disponíveis para atingir esse objetivo é a opção de utilizar um veículo como parte do pagamento do imóvel. Ele é muito utilizado nos casos de financiamento, onde o bem é dado como entrada para que as parcelas se tornem menores e também em compras à vista, onde a diferença é paga em dinheiro.

O uso de veículos como entrada ou parte do pagamento de um imóvel, apesar de facilitar a compra, pode oferecer riscos para o corretor que intermedeia a negociação. Confira a seguir quais problemas podem existir e como eles podem ser prevenidos para não prejudicar um cliente.

Possíveis problemas com veículos como entrada de imóveis

  • Avaliação de valor

Como qualquer negócio envolvendo um bem, nos casos de veículo como entrada de imóveis, será necessária uma avaliação para que o valor abatido seja justo para as duas partes. A questão é que, em muitos casos, o valor avaliado pode não ser o que o proprietário estava esperando, gerando desconforto. Outra situação é quando o vendedor do imóvel desvaloriza o veículo do interessado durante a negociação, seja por má fé ou simplesmente por não enxergar tanto valor nesse bem.

Se você é corretor imobiliário, provavelmente está se perguntando qual o seu papel nessa situação. Não é possível mudar a avaliação de um veículo para agradar os clientes, mas existem medidas preventivas que podem ajudar. A primeira delas é sempre pedir ao vendedor do imóvel que especifique qual a porcentagem do imóvel ele está disposto a receber através do veículo. Assim, você poderá evitar que exista algum tipo de confusão na hora de acertar os valores.

Já no casos dos compradores de imóveis que desejam usar um veículo como forma de pagamento, é sempre bom pedir que seja realizada uma avaliação prévia do veículo. Se for possível realizar mais de uma, em diferentes concessionárias ou tipos de tabelas, a chance de desentendimento é ainda menor.

  • Histórico do veículo

Os veículos são bens julgados por sua estética e mecânica. Porém, esse tipo de análise pode não ser suficiente para saber se ele já sofreu algum tipo de dano estrutural que deixou consequências.

Um bom exemplo de histórico não aparente são os carros que foram vendidos em leilões. Na maioria dos casos, eles são enviados por seguradoras e financeiras. Esses veículos são classificados por grau de risco, ou seja, pelo tipo de situação em que foram apreendidos. Sem essa informação, é possível que um cliente aceite esse bem como entrada e mais tarde sofra por problemas anteriores que foram consertados, mas deixaram avarias.

Para evitar esse risco, a única saída é realizar uma consulta completa sobre o veículo. Dessa forma, será possível saber exatamente o seu histórico e se vale a pena aceitá-lo.

Apesar do corretor de imóveis não ser oficialmente responsável por esse tipo de entrada, problemas posteriores podem manchar sua reputação e acabar com as chances de indicações futuras. Afinal, ninguém gosta de fazer um negócio e mais tarde descobrir que foi prejudicado, não é mesmo? Por isso, é sempre interessante para o corretor ter acesso à ferramentas capazes de realizar todas as consultas necessárias para evitar problemas.

  • Débitos antigos

Assim como os imóveis, os veículos também podem possuir tributos atrasados. Imagine que um veículo foi cotado em 25 mil reais, nenhuma consulta de débitos foi realizada e, posteriormente, foram descobertos R$3 mil reais de débitos. Qual será o impacto para o dono do imóvel que o recebeu como entrada? Provavelmente não será nada bom.

As situações onde os débitos antigos não aparecem podem acontecer porque, muitas vezes, as consultas de débitos antigos são esquecidas ou até mesmo desconhecidas pela maioria das pessoas. Existe também a dificuldade de acessar todas as consultas disponíveis de uma só vez.

Para garantir uma negociação com menos riscos para os clientes, utilizar ferramentas que unificam essas consultas, oferecendo um relatório completo do status de pagamento dos tributos estaduais e federais, é uma boa forma de prevenir problemas futuros com os clientes.

Quer conhecer uma ferramenta que pode te ajudar a garantir negócios mais seguros?

As indicações de clientes antigos são uma das melhores formas de conseguir negócios imobiliários. Para conseguir manter um bom histórico, é preciso oferecer mais segurança em qualquer tipo de negociação.

Desenvolvemos aqui na Assertiva a ferramenta Veículos, voltada para consultas completas sobre o histórico geral e de débitos. Ela é a solução ideal para corretores de imóveis que desejam melhorar seu atendimento. Para testá-la gratuitamente, inscreva-se aqui.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *