4 dicas para avaliar fornecedores de dados

Dentro da operação de planejamento de cobrança, a tarefa de avaliar os fornecedores, tanto de dados quanto de ferramentas de comunicação, é uma das mais importantes. Isso por que o sucesso de toda a operação depende exclusivamente do nível de assertividade dessas informações.

O Brasil é um país que tem mais de 208 milhões de pessoas, 280 milhões de linhas de celulares ativas e mais de 42 milhões de linhas de telefone fixos. Quando somam-se a isso os dados de e-mails e os endereços das pessoas, descobrir quais são os dados mais assertivos é um grande desafio. Por isso, separamos para você quatro dicas essenciais na hora de avaliar um fornecedor de dados.

1 – Analise as informações que você já tem

Antes de trabalhar com um fornecedor externo para o enriquecimento ou higienização de bases, é importante fazer uma avaliação cuidadosa do que você já tem nas suas bases.

Certamente o seu departamento de planejamento tem dados de enriquecimentos e higienizações anteriores para cada pessoa já abordada. É fundamental ter em mãos todos os telefones, e-mails e outros dados que já foram tentados anteriormente e não deram retorno. A análise desses dados serve para, em uma higienização, saber quais informações você não precisa.

Por outro lado, se você já tem na base dados o contato de determinada pessoa, não precisa gatar tempo e dinheiro enviando para enriquecimento ou higienização com empresas especializadas em dados cadastrais.

2 – Faça uma comparação justa

Uma vez que você tenha feito a higienização ou enriquecimento com os fornecedores e já tenha rodado a base para ver o resultado de cada um, é hora de fazer uma comparação.

Nesse momento, é importante levar alguns cuidados em consideração. A avaliação de qual é o melhor resultado em termos de enriquecimento ou higienização precisa estar atrelada a algumas regras básicas. Isso acontece porque uma diferença de 1% ou 2% já pode ser muito impactante no resultado final. Então, é importante ter em mente um plano base de como proceder com a avaliação dos resultados.

Dentro desse plano é preciso ter certeza de que todos os fornecedores estão sendo avaliados de acordo com o mesmo critério.

Por exemplo, se você vai comparar dois fornecedores, é interessante enviar documentos a serem enriquecidos ou higienizados em iguais condições. Às vezes, algumas assessorias realizam o enriquecimento com um fornecedor A, e então pegam apenas os documentos para os quais ele não deu resultado e enriquecem ou higienizam com o fornecedor B.

Esse tipo de procedimento não é aconselhado, pois nesse caso o fornecedor B teve a oportunidade de atuar apenas sobre pessoas e empresas que o A já não havia encontrado.

O ideal seria dividir a base e enriquecer metade com cada fornecedor, mas, caso isso não seja possível, o mais recomendado é enriquecer tudo com o fornecedor A e, em seguida, fazer o mesmo enriquecimento com o fornecedor B, para então verificar se um fornecedor retornou informações diferentes das do outro.

Além de verificar quais informações foram retornadas, é importante saber qual é a assertividade dessas informações, ou seja, se elas geram contatos com a pessoa certa.

3 – Tenha um ranking atualizado

Não existe avaliação de fornecedores se isso não produzir um ranking que vai ser utilizado como critério na hora das contratações ou da priorização dos contatos.
Quando se tem um ranking com os melhores fornecedores para cada tipo de dados, a vida do planejamento fica mais fácil. Algumas assessorias de cobrança criam rankings únicos para telefone ou e-mail. Outras separam os melhores fornecedores por perfil de carteira, o que inclui dados como:

  • Faixa de renda presumida dos devedores
  • Faixa etária
  • Estado ou região
  • Outros dados

Quanto mais inteligente e segmentado for o ranking, melhor será na hora de escolher um novo fornecedor.

4 – Tenha sempre um Plano B ou mesmo C

Mesmo os fornecedores bem classificados no seu ranking podem precisar ser substituídos de última hora. Geralmente, é importante manter contato ou mesmo ter algum tipo de contrato de fornecimento com os fornecedores que estão em segundo ou ainda terceiro lugares para esses rankings com o objetivo de manter uma opção de emergência.

O processo de avaliar fornecedores pode ser complexo e, sempre que possível, deve envolver o conhecimento de profissionais especializados em análise de dados. Porém, o grande segredo para acertar na escolha é realizar uma avaliação de forma igualitária e que produza um ranking de referência. Realizar esse trabalho de maneira correta tornará as próximas rodadas muito mais simples e fará com que os dados adquiridos tenham maior qualidades e, consequentemente, tragam resultados melhores.

Deixe uma resposta