Conheça os 5 pilares da segurança da informação

Conheça os 5 pilares da segurança da informação
Conheça os 5 pilares da segurança da informação

Em um crescente cenário de fraudes virtuais no país e no mundo, torna-se cada vez mais fundamental o investimento na proteção de dados digitais para tornar a sua empresa mais confiável aos olhos do mercado, e conhecer os 5 pilares da segurança da informação será um passo importante nesse caminho.

Tais princípios levarão você a ter mais condições de analisar os riscos envolvidos na gestão de dados, tornando mais eficiente a política de segurança de sua empresa contra ataques cibernéticos e outras ameaças virtuais, tudo por meio da adoção de boas práticas de segurança da informação.

O que é segurança da informação

A entrada em vigor da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) trouxe para dentro das reuniões empresariais muitos debates sobre a necessidade de implantação de medidas que garantam a segurança à informação. Mas, afinal, o que isso quer dizer?

Segurança da informação é o termo utilizado para designar a proteção de dados e informações sigilosas para que não sejam utilizadas de forma indevida, sofram vazamento ou venham a ser acessadas por pessoas não autorizadas.

Essas informações podem se originar da própria empresa — como dados sobre a sua estrutura financeira, vendas, margem de lucro etc. —  ou externamente, como aquelas informações de clientes, fornecedores e parceiros, sendo que o vazamento ou perda de determinados dados pode vir a causar enormes prejuízos financeiros e, até mesmo, implicações criminais.

Os 5 pilares da segurança da informação

Agora que alguns conceitos iniciais já foram introduzidos, conheça os cinco pilares da segurança da informação, os quais formam a base da infraestrutura de proteção de dados da empresa por meio da aplicação de políticas e processos de segurança, uso de criptografia, senhas, firewalls, entre outras práticas.

1. Confidencialidade

O primeiro pilar está diretamente relacionado à privacidade e ao sigilo das informações, com o objetivo de que não sejam acessadas por pessoas não autorizadas.

Sendo uma das diretrizes mais importantes, a confidencialidade dos dados irá garantir que o seu acesso ocorra somente por pessoas previamente autorizadas, pelo uso de senha pessoal ou de validação biométrica.

A criptografia é também outra importante medida contra o controle de acesso indevido por terceiros, sobretudo quando há vazamentos de dados.

Notável que, diante de sua importância, a confidencialidade se tornou um requisito adotado pela LGPD, devendo ser parte essencial da política de segurança da informação de sua empresa.

2. Integridade

A integridade está relacionada à preservação, precisão, manutenção e confiabilidade dos dados por todo os seus ciclos de vida, de forma a impedir que eles sejam alterados ou excluídos indevidamente, seja em razão de um erro humano, seja por conta de um ciberataque.

Esse pilar pode ser implementado por meio da criação de backups, controle de versões, criação de níveis de acesso, entre outras medidas a serem implementadas, como a criação de logs que identifiquem os usuários que acessaram o documento e quais alterações eles realizaram.

3. Disponibilidade

O acesso aos dados por seus colaboradores deve ser garantido em tempo integral, não podendo haver instabilidades ou falhas de conexão que causem indisponibilidade, afetando, assim, a produtividade de sua empresa.

A disponibilidade faz parte de um processo de estabilidade permanente de acesso aos dados, a qual pode ser garantida por meio da implementação de medidas de eliminação de falhas e conflitos de software, processos de manutenção rápidos e atualizações periódicas dos sistemas.

4. Autenticidade

Além de confidencialidade, integridade e disponibilidade, a autenticidade é um dos pilares e é uma medida de segurança responsável por garantir que os dados sejam legítimos, ou seja, de que não sofreram alterações por pessoas não autorizadas ou externas à empresa, sendo capaz, também, de determinar a validade da origem do emissor.

Além disso, esse pilar é responsável por confirmar e validar a autorização dos usuários para acesso, transmissão, alteração e recebimento de determinadas informações, cujo controle poderá ser realizado mediante a exigência de logins e senhas ou autenticação biométrica, por exemplo.

5. Legalidade

Inspirado no princípio jurídico da legalidade, esse pilar estabelece que as informações processadas dentro da empresa estejam de acordo com a lei, evitando impedimentos operacionais ou fiscalizações por órgãos de controle.

A sua implementação se tornou especialmente importante após a entrada em vigor da LGPD, a qual passou a exigir maior rigor das empresas quanto ao valor legal dos dados tratados.

Atentando-se a esses 5 pilares da segurança da informação, o seu negócio terá tranquilidade para beneficiar-se de todas as vantagens que um uso estratégico e responsável dos dados é capaz de propiciar.  

Principais ameaças à segurança da informação

A sensibilidade das informações de uma empresa e os riscos associados à sua integridade são fatores suficientes para a decisão de se investir em segurança da informação, o que deixou de ser um luxo para os negócios, tornando-se uma verdadeira necessidade.

Isso se justifica porque, como já abordado no início deste texto, o número de fraudes virtuais no mundo todo tem crescido exponencialmente, gerando inúmeras ameaças aos bancos de dados e sistemas empresariais, por exemplo:

  • ataques que forcem a entrada não autorizada a sistemas, a redes ou a um computador;
  • uso de e-mails ou acesso a sites de phishing que roubam senhas e informações confidenciais;
  • uso de engenharia social para indução dos usuários a realizar ações maliciosas, como download de um arquivo ou acesso a um link, facilitando ou permitindo o roubo de informações;
  • o ingresso de vírus, malwares, ransomwares, cavalos de troia, entre outros programas maliciosos, com o objetivo de criar instabilidades no sistema que permitam o acesso a informações sensíveis;
  • ações de sobrecarga de sistemas com o objetivo de gerar uma negação de serviços (DoS e DDoS), as quais bloqueiam acesso a recursos e a dados do sistema, tornando-o indisponível;
  • a invasão a dispositivos móveis, como smartphones e tablets, com o objetivo de obter dados e senhas;
  • vazamento de dados por falha humana ou por ataques externos.

Todas essas ameaças têm causado prejuízos bilionários anualmente, sobretudo em um momento no qual as técnicas de ciberataques têm se tornado mais complexas, exigindo das empresas a aplicação de melhores medidas de segurança da informação para salvaguardar os seus dados.

Diferença entre segurança da informação e cibersegurança

Embora os termos cibersegurança e segurança da informação por vezes sejam utilizados como sinônimos, as diferenças que guardam entre si fazem deles conceitos um tanto quanto distintos.

Isso porque a segurança da informação possui um alcance mais amplo do que a cibersegurança, pois é um conjunto de normas, técnicas e práticas que tem por objetivo proteger as informações e dados sigilosos de uma empresa que estejam armazenados de forma física ou digital.

Por outro lado, a cibersegurança —  conhecida também como segurança informática —  é responsável pela definição de metodologias e tecnologias voltadas exclusivamente à proteção de ativos digitais de corporações, dentre os quais aqueles que podem, por exemplo, ser armazenados em nuvem ou transmitidos por rede.

Além da atuação no campo de proteção de dados digitais, a cibersegurança se encarrega de realizar testes de prevenção contra potenciais ataques externos, estabelecendo protocolos de defesa.

Benefícios de ter um bom plano de segurança da informação na empresa

É evidente que a segurança da informação será cada vez mais um fator de relevância para corporações de todos os portes e ramos, motivo pelo qual é importante conhecer os benefícios que ela pode trazer ao seu negócio.

A implementação de um bom plano de segurança da informação será capaz de:

  • impedir o vazamento e roubo de dados, evitando prejuízos financeiros e de imagem, tendo em vista que afetam a credibilidade da empresa, sobretudo quando há demora na resolução ou identificação do problema, levando seus clientes a acreditarem que a companhia não confere os cuidados necessários às informações que armazena;
  • facilitar a tomada de decisões estratégicas, pois o gerenciamento correto de dados pode trazer informações que possibilitem o direcionamento dos investimentos de forma mais eficiente, orientando a empresa com base em dados íntegros e com foco no risco, em vez de apenas seguir tendências mercadológicas;
  • evitar a perda de informações, o que é crucial para o desenvolvimento de qualquer negócio, pois, como abordado anteriormente, são essas as informações que irão direcionar as decisões empresariais;
  • impedir ataques virtuais e fraudes, como é o caso do ransomware, ataque que realiza o sequestro de dados virtuais por criminosos, que, após, condicionam a devolução ao pagamento de um resgate, sendo que o não pagamento poderá ocasionar a alteração ou destruição dos dados pelos sequestradores;
  • prevenir perdas de recursos, afinal, caso haja qualquer problema relacionado ao mau uso de dados, será necessário alocar pessoas e recursos para solucionar a questão, tempo e dinheiro esses que poderiam ser investidos em prol do crescimento do negócio. 

Apesar de ainda causar dúvidas e inseguranças, o uso de dados é uma realidade para a qual a sociedade não pode fechar os olhos. Com isso, saber os 5 pilares da segurança da informação é requisito indispensável para que a sua empresa esteja regulamentada e, ainda, aproveite ao máximo todos os benefícios que o tratamento de dados propicia ao crescimento do negócio. 

Caso tenha se interessado pelo assunto e queira saber mais sobre como a segurança da informação é um aspecto que todo e qualquer negócio deve estar atento, não deixe de conferir nosso artigo sobre como a certificação ISO ajuda na segurança da informação.

Você também pode gostar