O que é Marketing Jurídico?

O que é Marketing Jurídico?

O termo ainda pode soar um pouco novo – e até desconhecido -, mas o marketing de conteúdo para o setor jurídico já é uma realidade. Essa nova ferramenta, aliada com boas práticas conforme a OAB prevê, pode ajudar a ter mais sucesso em sua jornada. Atualmente, temos uma concorrência mais ampla e isso significa que a famosa propaganda “boca a boca” já não funciona mais como antes.

Falando de marketing de conteúdo para o setor jurídico, temos que lembrar que à Organização dos Advogados do Brasil tem uma série de regras a serem cumpridas acerca das restrições publicitárias impostas pelo seu Código de Ética e o Estatuto da Advocacia.

Mas, antes de falarmos sobre o Marketing Jurídico, é necessário que você saiba do que esse trata o marketing de conteúdo.

Marketing de Conteúdo: O que é e o que faz?

O conceito de Marketing de Conteúdo nos dá várias possibilidades de entendimento, porém ele funciona como uma ferramenta para você utilizar como forma de engajamento com o seu público através da criação de conteúdo relevante. É uma das melhores estratégias para atrair novos potenciais clientes e gerar valor positivo para as pessoas. Desta forma você impacta positivamente a sua marca no mercado e, consequentemente, gera mais vendas.

Um ponto interessante em tudo isso é o: conteúdo relevante. Ainda existem muitas dúvidas do que faz um conteúdo ser relevante, pois o termo se torna muito subjetivo quando falamos de experiência do consumidor. Conteúdo relevante é aquele que permite a criação de um relacionamento mais humanizado com a sua persona – o perfil semi ficcional do seu potencial cliente. Independente da forma ou do veículo, todo conteúdo que tenha grande valia e seja útil para o seu cliente é um conteúdo relevante. Ou seja, se o seu conteúdo ajuda seu público alvo de alguma forma, ele é provavelmente relevante.

 


Por que devo investir? Como posso fazer?

Quando nos questionamos o motivo de investir em determinado serviço que, comprovadamente, nos traz novos resultados, nós já sabemos que devemos pensar com mais importância na hipótese. Partindo da ideia de que todo mundo se consulta nos sites de buscas para saber se tal serviço é bom e recomendado, devemos entender que marcar presença na internet é fundamental.

Então esse já é um dos principais motivos que você deve começar investir em marketing de conteúdo. Porém, vá com calma, começar a produzir conteúdo relevante não é algo que você começa a fazer durante o dia e de noite você já está craque. Leva tempo e, provavelmente, não será você quem irá fazer. Você precisa fazer com que o seu potencial cliente sinta afinidade com o seu conteúdo e que ele agregue valor positivo para ele.

Um dos benefícios da criação de um bom conteúdo, além de trazer novos potenciais clientes, é o trabalho de posicionamento para a sua marca. Uma empresa do setor jurídico que investe em geração de conteúdo, é uma empresa que expõe seus conhecimentos para facilitar o entendimento do público sobre alguns assuntos que são de difícil acesso, além de levar mais conhecimento – e tudo isso dentro do Código de Ética da OAB, previsto no artigo 46 que permite o uso do marketing de conteúdo.

A seguir, veja algumas dicas sobre algumas coisas que você deve saber para montar o seu plano de marketing de conteúdo para a sua empresa.

1 – Persona

A premissa principal do marketing de conteúdo é produzir conteúdos cada vez mais relevantes – e que agreguem valor positivo – para o perfil mais correto do público-alvo. Desta forma, atingiremos o público qualificado, ou seja, aquele que tem alto poder de compra e/ou investimento no seu produto ou serviço.

Existem alguns fatores sistêmicos que faz com o seu público se sinta mais atraído pelo seu conteúdo, porém saber que aquele conteúdo foi produzido pensando no quão impactante aquilo pode ser para ele já é um motivo e tanto para que ele se torne um lead qualificado. Além de definir sua persona – através do comportamento, dos gostos e da vivência que você tem -, você precisa saber qual é o direcionamento que você vai atuar.

Se você tem um escritório de advocacia na área trabalhista, é mais do que certo que iremos focar no público que se interessa por este assunto. Caso você direcione o seu conteúdo para o público que tem mais afinidade com a área de direito administrativo, pode ser que à sua estratégia tenha sido em vão e você tenha que arcar com possíveis prejuízos.

Então, defina a sua persona e o seu direcionamento. São os dois pontos que vão te guiar para o caminho correto para se ter mais potenciais clientes e alavancar os resultados da sua empresa.

2 – Materiais

Pode parecer vago falar sobre a produção de conteúdo para um segmento específico, pois produzir conteúdos pode ir além do que apenas fazer um texto otimizado para SEO e colocar em um blog. Você pode variar os formatos, deixá-los mais interativos e atraentes para que aquele cliente que sempre te liga pedindo uma “ajudinha” possa se familiarizar melhor com o assunto, sem que precise da sua consulta imediatamente

Assim como esse seu cliente que sempre te liga, existem diversas pessoas com muitas dúvidas sobre alguns fatores jurídicos. Porém com um novo perfil de consumidor, essas pessoas recorrem aos motores de busca para sanar as dúvidas.

Sabendo disso, invista em e-books, infográficos, vídeos, materiais que se mostrem objetivos e atrativos para que elas tenham um material mais palpável em mãos. Imagina que incrível seria se um possível cliente seja impactado com um vídeo seu explicando sobre algum assunto jurídico que está em alto – como a reforma da CLT.

3 – Humanização

Quando falamos sobre humanização na comunicação, falamos sobre falar a mesma linguagem dos nossos clientes. Muitos deles não entendem alguns termos específicos do universo jurídico, e quando você o aborda com algumas dessas palavras, ele sente o dever de deixar tudo na sua mão por apenas não entender o que você está falando.

No caso do Marketing de Conteúdo, usar muitos termos técnicos é um tiro no pé e pode te causar rejeição – em linhas gerais, vai fazer o seu trabalho ir por água abaixo. O público que está na internet está buscando conteúdos simples, ágeis e de fácil entendimento. Então procure sempre traduzir o seu juridiquês para uma linguagem que todos consigam entender.

Uma boa dica é a exemplificação: pegue situações que esse termo técnico se encaixe, encontre um sinônimo de fácil entendimento e faça a analogia empregando o termo em uma situação cotidiana. Você levará o universo jurídico para o universo dele, além de agregar valor positivo.

4 – Divulgação

Use tudo o que você tem à seu favor!

Você tem por dever compartilhar cada conteúdo que for produzido, utilize as mídias sociais como plataforma de impulsionamento. Procure plataformas de conteúdo especializadas em Direito, faça parcerias, invista em anúncios pagos no Facebook e no LinkedIn – eles têm sido grandes aliados para o segmento, trazendo bons resultados.

O mais importante – e imprescindível – é espalhar o seu conteúdo para o maior número de pessoas.

Gostaria de saber mais sobre marketing jurídico?

A rotina dos profissionais de Direito é bastante corrida, não é mesmo? Se você quer saber mais sobre como utilizar o marketing ao seu favor, inscreva-se em nossa newsletter exclusiva para advogados e receba materiais semanalmente 😉

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar