5 medidas para evitar inquilinos inadimplentes na sua imobiliária

5 medidas para evitar inquilinos inadimplentes na sua imobiliária

A inadimplência faz parte da realidade de qualquer negócio. Infelizmente, o número de clientes devedores no Brasil é alto e atinge, inclusive, o mercado imobiliário. Em tempos de crise, como o que viemos enfrentando nos últimos anos, as pessoas tendem a optar mais pela locação do que pela compra de imóveis.

Acontece que, em determinado momento, seja por conta do desemprego ou da falta de planejamento com relação à renda mensal, existe o risco desse inquilino se tornar inadimplente.

São poucos e raros os casos nos quais o locatário deixa de pagar o aluguel por má fé. Quando isso acontece, geralmente, outras contas fixas que ele possui também já estão atrasadas. Por isso, é importante entender essas situações e ter cautela na hora da cobrança. Só que mais importante ainda, é tentar evitar que eles cheguem a esse ponto.

Neste artigo, nós selecionamos uma série de dicas para que gestores e corretores saibam como evitar os inquilinos inadimplentes, uma vez que eles representam uma fuga de receita para a própria imobiliária. Continue com a gente!

Quais medidas podem evitar que um inquilino se torne inadimplente?

Existem algumas dicas básicas que podem te ajudar a diminuir a inadimplência dos aluguéis. Veja no infográfico quais são elas e, logo depois, vamos explicar uma a uma mais detalhadamente:

Infográfico com 5 dicas para evitar inquilinos inadimplentes na sua imobiliária.

#01: Realize uma boa análise de crédito

Já falamos aqui em nosso blog sobre as garantias locatícias, uma forma de assegurar ao locador o recebimento do aluguel caso o inquilino falte com seu compromisso de pagamento.

Com exceção do seguro fiança, no qual a análise de crédito é feita pelo banco ou pela seguradora, todas as outras opções dependem da avaliação do corretor de imóveis.

É nesse momento que uma análise de crédito completa e bem-feita, antes da assinatura do contrato de locação, pode evitar muitos problemas no futuro. Além da situação do CPF, o ideal é consultar a renda mensal, os extratos bancários e o score de propensão de pagamento do possível inquilino.

#02: Valide os dados do locatário e de todos que moram no imóvel

Além dos dados do locatário e do fiador – se for essa a modalidade de garantia escolhida -, é importante fazer o cadastro de todas as outras pessoas com mais de 18 anos que também forem morar no imóvel.

No caso de atrasos no pagamento do aluguel, essa será uma maneira de tentar a recuperação de crédito, uma vez que a imobiliária poderá entrar em contato não só com o titular do contrato, mas também com todos que lá moravam.

#03: Faça uma gestão locatícia próxima dos seus clientes

É mais difícil e constrangedor ficar devendo para alguém que você conhece do que para alguém que você nunca vê, concorda? Por isso, tente criar e manter um relacionamento com o seu cliente, mesmo quando ele não estiver devendo.

Um bom exemplo são as mensagens em datas comemorativas, como Natal e aniversário. Usando a tecnologia a seu favor, é possível enviar um e-mail ou SMS demonstrando, com um gesto simples, que você se importa com ele e sua família.

#04: Utilize uma Régua de Cobrança

A Régua de Cobrança é uma ferramenta que pode ser utilizada tanto como uma ação preventiva – para evitar atrasos no pagamento – quanto como uma maneira de realizar a recuperação de crédito.

Utilizando telefone, e-mail ou SMS, você cria uma espécie de cronograma automático de cobrança, ou seja, um caminho que o cliente vai percorrer antes e depois do vencimento do seu aluguel. Veja um exemplo abaixo:

·         5 dias antes do vencimento: e-mail com o boleto

·         1 dia antes do vencimento: SMS com lembrete e link para o boleto

·         3 dias após o vencimento: SMS avisando sobre o atraso

·         5 dias após o vencimento: contato telefônico solicitando o pagamento

#05: Facilite o acesso aos boletos

Trabalhar com boletos é uma maneira eficiente de diminuir a inadimplência, ainda mais se você utilizar um sistema que facilite a emissão de uma segunda via.

Outra vantagem de fazer a cobrança do aluguel via boleto é a possibilidade de ter um sistema que faça o envio automático para o e-mail inquilino na data que você selecionar.

Cliente de Baixo Age e cliente de Alto Age: qual a diferença e como lidar com cada um deles?

Por mais que a sua imobiliária adote as estratégias que citamos acima, ainda é possível que alguns clientes se tornem inadimplentes. A partir daí, é importante classificá-los para realizar a cobrança do jeito certo.

Podemos entender como clientes de baixo age, aqueles que estão devendo há pouco tempo. Já os de alto age possuem uma inadimplência mais antiga, cuja cobrança, provavelmente, já até saiu das mãos da imobiliária. Por serem diferentes níveis de inadimplência, a abordagem com cada um deles também deve ser diferente.

Por exemplo, a cobrança dos clientes de baixo age pode ser feita internamente, dentro da própria imobiliária. A nossa dica para esses casos é que exista um único funcionário voltado para essa atividade. O acompanhamento deve ser feito e registrado semanalmente, de forma visual.

É importante que esse profissional mantenha uma comunicação direta com os responsáveis pela análise de crédito, uma vez que os resultados dos sucessos ou insucessos com determinado cliente devem ser conversados entre as áreas.

No caso dos clientes de alto age, provavelmente, a cobrança já estará em processo judicial. Quando isso acontecer, indicamos que a imobiliária continue acompanhando, mesmo que de longe, o caso em questão. O interesse em recuperar o crédito ainda é seu.

Como localizar os inquilinos inadimplentes?

Se, mesmo com as dicas que passamos neste artigo, não for possível evitar os inquilinos inadimplentes, o ideal é que você os encontre e comece o processo de cobrança. Para saber mais sobre isso, clique aqui e leia o nosso artigo! 🙂

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar