Como fazer Database Marketing no varejo?

O database marketing é hoje, sem dúvida , uma das maiores armas que os profissionais de marketing do varejo têm em mãos na hora de ajudar no crescimento das empresas. O uso de dados para realizar ações de marketing não é novidade, mas com o fortalecimento de termos como big data e omnichannel, a necessidade de ser uma empresa guiada por dados fica ainda mais evidente.

O grande desafio do varejo é que boas estratégias de database marketing dependem muito do tipo e da qualidade dos dados que se tem disponíveis. Além disso é preciso estabelecer alguns passos e pontos importantes na hora de criar uma ação, mesmo que simples, que tenha como base o database marketing.

6 dicas para implementar o Database Marketing

Ter algum dado sobre o cliente

A palavra database significa banco de dados. Isso quer dizer que ter um banco de dados com informações sobre os clientes é o mínimo necessário para dar qualquer passo em direção às estratégias e ações que envolvam database marketing.

Uma boa base de informações pode ser construída através de diversas estratégias e ações, como, por exemplo, a criação de clubes de desconto, o envio de promoções por SMS ou e-mail para validar e coletar dados e o enriquecimento cadastral. Os gestores de marketing do varejo são responsáveis por encontrar formas inovadoras e criativas de ter sempre as melhores informações sobre os clientes para construir estratégias eficientes de database marketing.

Estabelecer objetivos

Não adianta começar uma estratégia ou realizar ações de database marketing sem estabelecer quais são os objetivos do uso de dados. Hoje, com o advento de termos como big data, inteligência artificial, machine learning e outras tecnologias, algumas empresas tendem a se aventurar no meio dessas palavras apenas para dizerem que fazem uso dessas tecnologias e estratégias, mas o mais importante dentro de uma estratégia que envolva o uso de dados é estabelecer para onde de deseja ir.

Em alguns casos o objetivo não é atingir X ou Y de vendas ou melhorar o relacionamento em A ou B, mas apenas descobrir novas formas e oportunidades. O alvo não é precisa estar totalmente definido, mas o objetivo da realização das ações sim. Eles podem ser:

  • Aumentar vendas em X
  • Melhorar o relacionamento em Y medido da forma Z
  • Descobrir um novo canal de comunicação
  • Obter informações X que ainda não temos sobre o cliente

Segmentar a base de dados

O estabelecimento prévio de alguns objetivos é interessante, pois eles podem dar uma direção para o passo da segmentação da base. Quando já se tem alguma ideia de qual é o objetivo em si é mais fácil perfilar a base. Por exemplo, se o objetivo for conseguir dados como sexo ou idade de clientes que você só tem o e-mail, você já sabe que vai ter que dividir a base em no mínimo dois grupos:

  • Os que você tem o e-mail
  • Os que você não tem o e-mail

Esse trabalho de segmentação é facilitado quando a base de dados é rica na diversidade de informações.

Descobrir oportunidades

Após o estabelecimento de objetivos iniciais e a segmentação da base você pode fazer analises exploratórias sobre os dados para encontrar padrões, informações e insights anteriormente ocultos. Existem muitas informações que você só vai conseguir ver de forma clara quando começar a agrupar dados e testar ideias, como por exemplo, saber quantas pessoas existem para cada faixa de idade, sexo, região, faixa de renda, categoria de produto comprado e outras informações relvantes.

Explorar esses dados, seja através de gráficos ou análises em bancos de dados e Excel, é um dos passos mais importantes na hora de criar uma estratégia e realizar ações de database marketing.

Montar o planejamento

Uma vez que você tenha em mãos dados segmentados sobre o cliente, um objetivo e um conjunto de insights sobre esses dados é hora de montar um planejamento, ou uma sequência de ações a serem realizadas, para o atingimento desse objetivo.

O modelo ou framework utilizado para planejar as ações varia de uma empresa e cultura organizacional para outra, mas existe uma base seguida por muitas delas que é o 5W2H. Essas siglas são de palavras em inglês e tem como objetivo estabelecer:

  • Quem vai realizar a ação
  • Qual é a ação a ser realizada
  • Quando essa ação deve ser realizada
  • Onde a ação vai ser realizada
  • Porque a ação vai ser realizada
  • Como a ação vai ser realizada
  • Quanto custa realizar essa ação

Com esse modelo básico estabelecido fica muito mais simples acompanhar todo o planejamento e medir o progresso e responsabilidades.

Realizar, medir e corrigir

O passo final de um processo de database marketing é certamente realizar as ações planejadas e medir os resultados. A realização e a mensuração devem estar lado a lado, pois sempre vai ser necessário criar novas mini ações, correções de fluxo ou mesmo uma mudança completa no planejado.

Quer saber como a Assertiva pode lhe ajudar na hora de ter bases de dados mais atualizadas para realizar as suas ações de database marketing?

Nos envie uma mensagem por aqui e fale com um de nossos especialistas 😀

Deixe uma resposta