Os negócios baseados no uso da informação estão expandindo. Mesmo empresas de segmentos convencionais utilizam os recursos digitais há tempos para otimizar suas operações e ganhos, mas esse avanço potencializou também o risco de fraudes. O Know Your Customers (KYC) é um dos processos que visam combatê-las e tornar as relações comerciais mais seguras.

Originalmente utilizado por instituições financeiras, o sistema analisa o risco das escolhas dos consumidores, a fim de evitar complicações para o negócio. Embora alguns pensem que KYC, KYE e KYP são válidos somente para grandes empresas, esses recursos do compliance podem ser utilizados em qualquer organização. A automatização de consulta e validação de dados facilitam o processo.

O tema é bastante específico, mas ainda mais interessante. Por isso, separe alguns minutos e entenda a seguir o que é, qual sua importância e como ter uma política de KYC dentro da realidade do seu negócio.

Entenda o que é KYC, KYE, KYP e outras siglas

Se você já estava curioso para entender o que significa KYC em português imagine agora, com a entrada de mais essas variáveis nesse jogo. Embora representem movimentos diferentes, todas estão relacionadas à segurança da organização. 

O primeiro termo — Know Your Customer ou Know Your Client — teve origem no mercado financeiro e pode ser traduzido literalmente como “conheça o seu cliente”. A ideia surgiu da necessidade que a área tinha de reunir dados e conhecer a fundo seu consumidor para assim, minimizar as perdas com fraudes originadas da liberação de crédito e venda de produtos financeiros. 

Vem daí também o uso das práticas de AML (Anti-Money Laundering) que no Brasil é conhecido como PDL, ou Prevenção a Lavagem de Dinheiro. Com o alcance de grandes públicos, possibilitado pela expansão das empresas no digital, estas ficaram mais expostas a riscos como esses. 

O prejuízo trazido pela falta de entradas e aumento da inadimplência prejudica o funcionamento do negócio e seu crescimento. Já o recebimento de recursos com origem duvidosa pode expor a empresa a problemas legais sérios. Por isso, conhecer as informações básicas, hábitos e histórico do cliente é um procedimento fundamental.

Agora, saiba como o KYE e KYP entram nessa história

Com o tempo, a busca por evitar fraudes, desfalques e más práticas financeiras se expandiu também para as políticas de contratação de funcionários e fornecedores. Vem daí o Know Your Employee — “conheça seu funcionário” — e o Know Your Partner — “conheça seu parceiro”.

Muitos golpes realizados por consumidores têm a participação de colaboradores da empresa. O mesmo acontece nas áreas de compras, financeiro e contratações de serviços, onde determinado fornecedor, em parceria com alguém interno, superfatura um pedido para obter dinheiro fácil. 

É em função disso que as regras de compliance são criadas dentro das organizações, baseadas na sua maioria em políticas de KYC, KYP e KYE.

Conheça a importância do KYC para as organizações

Cada vez mais empresas têm percebido como uma gestão centrada na figura do cliente traz resultados. Por isso, conhecer o consumidor é importante não apenas para prevenir riscos financeiros e legais, mas como uma forma de manter as informações do seu público mais próximas.

Por essas e outras, conceitos como KYC, KYP e KYE não devem ficar restritos às corporações de capital aberto ou de patrimônio elevado. A medida é útil para oferecer produtos e soluções mais adequados ao consumidor e gerar proteção também para o cliente. Afinal, ele passa a adquirir de uma empresa que atende aos maiores protocolos internacionais de segurança.

Além disso, o KYC facilita o controle e armazenagem dos dados dos clientes, pois exige constantes atualizações e higienização das informações. Com ferramentas de automatização, esses processos se tornam ágeis e simples, permitindo verificar informações de pessoas físicas e jurídicas com segurança.

Veja como adotar uma política de KYC

O primeiro passo é construir uma base de contatos consistente, buscando informações com a maior qualidade possível. Quando você realiza uma venda a prazo sem fazer uma consulta e validação dos dados apresentados, expõe o seu negócio a perda de milhares de reais. Algumas medidas podem evitar isso, tais como: 

  • identificar corretamente o cliente — e armazenar esses dados para construção de um histórico;
  • solicitar documentos para validação de cadastro;
  • criar critérios para classificação de risco — atribuir uma pontuação conforme o perfil do cliente, como é feito com Behaviour e Collection Score;
  • verificar o patrimônio do cliente — consultar a origem dos bens apresentados 
  • veto de relacionamento — cancelar a venda ou contratação em casos de alto risco.

É importante também acompanhar o andamento dessas práticas, garantindo que elas não caiam em desuso pelos colaboradores. Você pode adotar um pequeno comitê para medir, avaliar e gerenciar essas mudanças. Outro ponto é facilitar a pesquisa e os processos de consulta de dados, para que seu time dê conta dessas e de outras atribuições.

Aprenda a utilizar a validação cadastral para conhecer o seu cliente

Um dos caminhos para estabelecer o KYC dentro da organização é manter uma relação de confiança mútua entre empresa e cliente. Uma boa gestão de cadastro permite saber com quem se está lidando, desde a primeira compra. Assim, bons clientes podem ser recompensados com melhores ofertas, prazos e limites de crédito.

A validação cadastral é a ferramenta que oferece maior seguridade nas transações, uma vez que permite acesso a dados atualizados e com segurança garantida. Contar com um sistema que automatize o processo garante também mais agilidade nas consultas, além de oferecer novos pontos de contato para facilitar futuras ações de venda e cobrança para esse mesmo cliente.

A tecnologia pode até ter potencializado o risco de fraudes, mas também permitiu que as empresas conhecessem melhor seus clientes e construíssem um relacionamento com eles. Se você pretende implementar o conceito de KYC na sua operação, a validação cadastral oferece maior assertividade para as ações de atendimento e vendas. Utilize esse recurso de inteligência para respaldar o seu negócio.

Confira como vender mais sem aumentar o risco de fraudes

A oferta de crédito é uma das formas mais simples de alavancar vendas, mas exige uma política de concessão um pouco mais liberal. Sem um bom gerenciamento, essa abertura pode elevar a exposição da empresa a golpes e inadimplência. Clique aqui e confira como vender e resolver esse dilema.

323 Shares:
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar