O que é Banking as a Service (BaaS) e como sua empresa pode utilizar

O que é Banking as a Service (BaaS) e como sua empresa pode utilizar
O que é Banking as a Service (BaaS) e como sua empresa pode utilizar

Em um mercado cada vez mais competitivo, traçar estratégias que estreitam as relações com os consumidores pode parecer quase impossível. Neste contexto, o banking as a Service (BaaS) é uma solução acessível a todos os tipos de empresas que desejam destacar-se em seus nichos.

O BaaS traz a resposta a todas as espécies de negócio que veem na prestação de serviços financeiros a solução para diversificar suas áreas de atuação e atrair mais clientes. E o melhor: tudo isso sem burocracia e com um investimento alcançável mesmo para empresas ainda em ascensão.

Descubra neste artigo como a contratação de um parceiro especializado em Banking as a Service pode fazer com que o seu negócio seja um destaque no seu ramo de atuação e aumente a sua prospecção de clientes, além de quais os cuidados que devem ser tomados para ter sucesso nesse tipo de investimento.

O que é Banking as a Service

O Banking as a Service é um tipo de solução que possibilita que empresas de qualquer ramo possam oferecer serviços financeiros aos seus clientes, como abertura de contas, cartão de crédito, cobrança por boleto e PIX.

Negócios especializados oferecem a instalação desse tipo de serviço, que atende às necessidades das empresas interessadas e é integrado aos seus sistemas. Isso significa que, de forma facilitada, qualquer negócio pode oferecer serviços financeiros personalizados aos seus clientes.

O termo Banking as a Service tem se tornado cada vez mais comum e é frequentemente abordado dentro e fora do universo financeiro. Essa tecnologia tem se expandido especialmente em razão da consolidação das fintechs, as quais desenvolvem produtos financeiros digitais e simplificados aos consumidores.

Como funciona o BaaS

Apesar de parecer ser uma transação complexa, o BaaS é uma solução eficiente, rápida e descomplicada, viabilizada pelos APIs (Application Programing Interface), ou seja, padrões de programação.  

Por meio de APIs, é feita a ligação entre dois pontos: o desenvolvedor do BaaS e a empresa interessada nesse serviço. Com esse tipo de tecnologia, qualquer negócio pode ser conectado a empresas que oferecem a ferramenta, tornando-se apto, portanto, a fornecer produtos financeiros.

O desenvolvimento da programação e a sua regulamentação ficam à cargo da empresa que oferece o serviço. 

Com isso, o Banking as a Service é a alternativa aos negócios que desejam atuar no mercado financeiro, mas não têm a expertise e nem a regulamentação para tanto.

Na prática, consumidores terão acesso a serviços financeiros — como saque de dinheiro e emissão de cartão de crédito —, os quais são personalizados de acordo com uma marca em específico (varejista, supermercado, loja de roupas etc.), sem que haja a necessidade de uma instituição financeira intermediar a operação. 

Tudo fica mais rápido e simples, e a relação com o cliente mais próxima.

Quais os benefícios do Banking as a Service para as empresas

O Brasil tem sido palco de uma revolução no setor financeiro nos últimos anos: em 2020 as startups financeiras movimentaram US$ 1,9 bilhões, enquanto que em 2019 esta marca foi de R$ 1,1 bilhões.

Isso quer dizer que no mercado brasileiro existe um número expressivo de empresas com um modelo de negócio inovador e que usa a tecnologia para desenvolver e oferecer soluções financeiras. 

Essas startups têm sido responsáveis pela movimentação de valores gigantescos e, assim, têm chamado a atenção do mercado como um todo.

Cada vez mais pessoas têm utilizado ferramentas digitais para realizarem suas transações financeiras e esta é uma oportunidade de negócio que muitas empresas não querem deixar passar, sejam elas do nicho de finanças ou não.

Com o BaaS, todo e qualquer tipo de negócio pode tomar proveito dessa tendência e melhorar os seus resultados através da contratação, pelos seus clientes, de produtos financeiros. Além disso, o Banking as a Service é vantajoso porque é uma forma de:

  • fidelizar clientes: a partir do momento que o consumidor estabelece uma relação financeira com uma empresa, significa que deposita confiança naquela instituição e, portanto, a chance de manter e expandir o seu contrato é maior;
  • personalizar seus serviços: uma vez ciente das características de seu público, é possível personalizar os serviços financeiros oferecidos através de BaaS e, assim, atender melhor às expectativas e necessidades dos consumidores;
  • assegurar as transações: com a digitalização do dinheiro, associada à implementação de soluções antifraude, as transações são mais eficientes, rápidas e seguras; 
  • implementar a experiência do usuário: tendo em vista o cenário de competitividade, oferecer ao cliente um serviço que o agrade e se encaixe ao seu perfil é uma maneira de melhorar a relação de consumo e torná-la mais prazerosa;
  • reduzir custos: por inexistir a necessidade de investimento com mão-de-obra e infraestrutura, os custos para fornecimento desses serviços são menores se comparados com o de uma agência de um banco tradicional.

Diferença do BaaS e bancos digitais

Os negócios que optam por contratar os serviços de BaaS têm a chance de oferecer produtos financeiros aos seus clientes, mas isso não faz dessas empresas instituições financeiras, como se fossem um banco digital. 

Os bancos digitais são instituições financeiras que têm a peculiaridade de operarem on-line. Geralmente não possuem uma estrutura física, o que significa que seus clientes utilizam uma plataforma digital para realizarem suas operações monetárias, inclusive com conta digital. 

Empresas com BaaS não são instituições financeiras e, portanto, não são fiscalizadas pelo Banco Central, como ocorre com os bancos digitais, que são regulados e devem se atentar a regras específicas para a continuidade de suas operações. 

Também é importante mencionar que instituição de pagamento também não se confunde com banco digital e BaaS. 

As instituições de pagamento, chamadas de IP’s, são fiscalizadas pelo Banco Central – o que não acontece com negócios que contratam o Baas. 

Contudo, diferentemente dos bancos, as IP’s oferecem serviços que envolvem recursos para pagamento, ao passo que os bancos também oferecem empréstimos, financiamentos etc.

Exemplos de empresas que utilizam Banking as a Service

Os usuários bancários têm necessidades cada vez mais pontuais e, atentas a isso, algumas empresas compreenderam os anseios do mercado e incorporaram algumas operações financeiras aos seus serviços.

Confira alguns cases de sucesso e perceba como, na prática, essa tendência tem gerado resultados positivos em negócios de notoriedade:

Ifood

Em novembro de 2020 o Ifood anunciou o oferecimento de uma conta digital aos donos de restaurantes que estavam inscritos em sua plataforma. E a oferta foi gratuita.

Denominada “Conta Digital do Ifood”, esse serviço exclusivo possibilitou aos empreendedores o acesso a operações bancárias, como transferências, pagamento de boletos, acesso a crédito por meio de antecipação de valores do Ifood e, ainda, serviços de intermediação de pagamentos feitos por cartões de débito e de crédito, como o QR Code. 

Rappi

A companhia de entregas Rappi lançou, em janeiro de 2021, o RappiBank, que oferece serviços de cartão de crédito, empréstimo, conta digital, seguro, investimentos e financiamentos, tanto para pessoa física como jurídica.

O RappiCard, cartão de crédito da marca, oferece várias vantagens, como cashback e aprovação on-line, e faz parte da estratégia da empresa de se consolidar como um superapp.

Magazine Luiza

A gigante varejista Magazine Luiza, em julho de 2021, anunciou a autorização para a compra da Hub Fintech, plataforma de Banking as a Service que oferece soluções para meios de pagamento.

Com isso, o Grupo Magalu passou a oferecer novas vantagens aos seus clientes, que desde então podem contar também com serviços de depósitos, transferências, PIX, pagamentos e saques diretamente nas lojas e plataformas gerenciadas pelo grupo.

Apesar das inúmeras vantagens advindas da consolidação de uma parceria de BaaS, não se pode ignorar a necessidade das empresas que optarem por prestar serviços financeiros de investirem na consolidação de uma boa política de gestão de risco, o que certamente foi planejado nos casos de sucesso.

É impossível um negócio funcionar com zero inadimplência, contudo, existem maneiras de evitar consideravelmente a ocorrência de problemas nas operações de crédito, e este é um cuidado que todo e qualquer estabelecimento deve ter. Se o negócio optar por prestar serviços financeiros, a cautela deve ser ainda maior.

A empresa que investe em uma boa gestão de crédito desenvolve mecanismos de análises que avaliam a capacidade financeira de quem irá obter o crédito, ou seja, traça um perfil dos clientes — pessoas físicas ou jurídicas — e antecipa a probabilidade daquele consumidor honrar com o pagamento devido.

Apostar no Banking as a Service é uma estratégia de negócio fácil, acessível e que expandirá os resultados do seu empreendimento, mas é imprescindível investir em ferramentas de análise de crédito para assegurar a saúde financeira da sua empresa. 

Ficou interessado no assunto? Conheça mais sobre o tema com a leitura do artigo “Como fazer a gestão de risco de crédito na sua empresa”, perceba como esta política é uma forma de inserir boas práticas de administração no seu negócio e aprenda a avaliar a melhor maneira de planejar novos horizontes para a sua empresa.

Você também pode gostar