Tecnologia no varejo: por onde começar essa jornada?

Dar o pontapé inicial na adoção de novas tecnologias não é um processo simples. Na maioria das situações, a jornada tecnológica inclui desafios característicos na estrutura do modelo de negócio de uma empresa.

No varejo não é diferente. Nos últimos anos, diversos empresários e gestores estão em busca de novas soluções para garantir o sucesso nesse segmento hiper competitivo.

Neste artigo, vamos em busca de entender por onde se inicia o processo de adoção da tecnologia no varejo. Continue a sua leitura, pois temos muitos assuntos ricos para discutir. Aqui vamos compreender como sua empresa pode se dar bem quando o assunto é a implementação de novas soluções!

Inovatividade, por que isso é importante?

Antes de entrar no passo a passo de como iniciar a jornada tecnológica, precisamos diagnosticar o nível de engajamento que nossa organização tem em adotar novas ideias.

Para isso, temos o conceito de inovatividade. De forma simplificada, a inovatividade é a propensão que um indivíduo ou empresa tem em adotar inovações.

O estudioso em inovação, Rogers Calantone, em meados de 1995, elaborou uma escala com 3 categorias com base no conceito de inovatividade, são elas:

  • Os adotantes imediatos – são os pioneiros quando surge alguma novidade no mercado. São propensos a testar diferentes serviços a fim de melhorar a qualidade e velocidade de suas entregas.
  • A maioria tardia – é onde se concentra a maioria das pessoas e organizações. Eles optam pelo uso de diferentes serviços e tecnologias em um segundo plano, ou seja, após terem certeza de que o “negócio funciona mesmo”;
  • Os retardatários – são os mais relutantes, dificilmente desafiam o status quo e a maneira tradicional de fazer as coisas.

Você deve estar se perguntando: mas qual o objetivo dessa informação?

Diante desse quadro, o gestor pode analisar o perfil de sua equipe de trabalho para identificar os colaboradores que mais se enquadram no primeiro quadrante. Provavelmente, estes são os mais aptos a promover o processo de transformação digital no seu varejo.

Na maioria das empresas existem esses tipos de pessoas que podem ser os expoentes no processo de adoção tecnológica. Identificar cada perfil é o pulo do gato para ter sucesso nessa empreitada tecnológica! 😉

Clique aqui e baixe agora o e-book "Tecnologia e Varejo: como aumentar as vendas do seu negócio?"

Motivação

Existem diversos motivos para iniciar a busca por soluções tecnológicas. No contexto das empresas do varejo as possibilidades são diversas, por exemplo:

  • Vender mais;
  • Vender com previsibilidade e segurança;
  • Melhorar o relacionamento com o cliente;
  • Reduzir custos operacionais.

Enfim, independentemente da motivação, existem maneiras e formas diferentes de resolver o mesmo problema.

Por isso, antes de sair avaliando possibilidades de qual produto ou serviço contratar para o seu negócio, tenha noção real de qual área, problema ou processo você quer melhorar em seu varejo.

Retomando a questão inicial, a jornada tecnológica no varejo começa tanto pela motivação quanto pela avaliação completa do status atual da empresa.

Tomando as devidas proporções, o processo de transformação tecnológica pode ser comparada com a nossa visita a um nutricionista. A primeira pergunta do profissional da saúde é sobre nosso objetivo e onde queremos chegar. Só depois ele inicia todo procedimento para diagnosticar o que temos que fazer para alcançar o desejado.

Ninguém escolhe uma ferramenta tecnológica sem antes entender completamente o que se pretende alcançar.

Diante da noção de motivação e objetivo, nos próximos tópicos vamos explorar formas de iniciar a adoção de tecnologias no varejo.

#1º Problemas em processos

Toda empresa tem alguma dificuldade latente. Por exemplo, no varejo é muito comum problemas no processo de vendas e concessão de crédito. Ao mesmo tempo que a empresa depende de todo esforço comercial para o seu crescimento, o número crescente da carteira de inadimplência exige uma força tarefa inicial.

Identificado o que traz entrave ou morosidade, é hora de analisar como estamos conduzindo as operações e onde pretendemos chegar em nível de qualidade.

Ainda utilizando o exemplo anterior, poderíamos verificar toda jornada de venda a fim de encontrar possíveis falhas que podem impactar o aumento do número de inadimplentes. Vamos supor que o departamento de cobrança diga que está tendo muitos problemas para encontrar a pessoa correta na hora de recuperar o dinheiro.

Certamente, a solução neste caso seria a utilização de ferramentas orientadas por dados para facilitar a tarefa de encontrar o cliente no momento da cobrança. Além disso, seria necessário estabelecer meios diferentes de comunicação, levando em conta que o consumidor atual está presente em diferentes pontos de contato.

Sendo assim, toda decisão tecnológica começa com a noção real de uma dor latente em algum processo da empresa e que afeta os objetivos de crescimento do negócio.

#2º Pessoas

O fator humano ainda é o diferencial em qualquer tipo de empresa. Os seus colaboradores são a fonte mais rica de informação para começar qualquer jornada tecnológica.

Pense comigo: sua empresa tem diferentes departamentos com atividades distintas e, sem dúvida, com equipes totalmente interdisciplinares. Ou seja, seu time pode indicar quais são os gargalos que mais roubam a produtividade da empresa como um todo.

Às vezes, o pessoal do administrativo indica certa dificuldade em registrar as informações dos clientes. Por outro lado, o time de vendas aponta erros na atração do público, trazendo pessoas sem afinidade nenhuma com o produto da empresa.

Uma simples conversa com seus colegas de trabalho pode ser útil na missão de identificar os tipos de tecnologia que podem apoiar toda sua operação.

#3º Clientes

Uma empresa só existe devido aos seus clientes. Vivemos numa era onde a velocidade e a qualidade dos serviços e produtos oferecidos nunca foi tão requerida pelos consumidores.

Além da velocidade e da qualidade, outra característica marcante dos consumidores atuais é a busca por experiências positivas e marcantes. Com base nisso, um gestor pode fazer uma análise focada na satisfação, anseios e desejos do seu cliente.

Estabeleça um canal direto de comunicação com o cliente em relação a críticas e opiniões. Não gaste tempo tentando justificar os erros, ao invés disso capture os principais motivos de reclamações e pense em como a empresa pode entregar uma experiência que encante as pessoas. Com certeza seus clientes lhe darão insights preciosos do que pode ser feito dentro do seu varejo.

Dica bônus!

Recentemente, nosso time de especialistas gravou um webinar superinteressante sobre o uso inteligente de dados no varejo. Como uma empresa pode sair na frente dos concorrentes utilizando essa tecnologia a seu favor? Clique aqui e assista a gravação completa!

Deixe uma resposta