Como mitigar riscos de forma eficiente na sua empresa

Como mitigar riscos de forma eficiente na sua empresa
Como mitigar riscos de forma eficiente na sua empresa

Assim como na vida de qualquer pessoa, na vida de empresas existem riscos dos mais diversos tipos — e isso é algo do qual não se pode fugir ou eliminar de qualquer forma. Podemos, sim, diminuir seus impactos — e isso no mundo corporativo se chama mitigar riscos.

Neste artigo, vamos entender melhor do que se trata a mitigação de riscos, quais riscos são os mais comuns e como podem ser mitigados, além da importância de um plano eficiente de mitigação de riscos para uma empresa.

O que é mitigar riscos?

Risco, no âmbito da administração de empresas, é a probabilidade de que um evento aconteça, seja ele determinado ou não, bem como o conjunto de consequências, que podem ser ou não adversas — geralmente o são.

Ainda em modo “dicionário”, trazemos aqui o conceito de “mitigar”, que se refere a reduzir, diminuir ou aliviar o efeito de algo. No caso, mitigar um risco é atuar para que as consequências de um evento tenham impacto aliviado ou reduzido a muito próximo de zero.

Importância de mitigar riscos na sua empresa

A linha de raciocínio mais comum quando pensamos em uma operação comercial de forma geral é a de que nela atua-se o tempo todo de forma a buscar o aumento do lucro apenas vendendo mais. Mas não é bem assim.

Em uma organização, existe uma infinidade de fatores e elementos variáveis que necessitam da atenção constante do gestor, que atua sobre e toma decisões. Muitas vezes essa decisão não é apenas no sentido de vender mais, mas de perder menos. É esse o pensamento básico da mitigação de riscos.

Isso tudo é bastante válido principalmente em mercados super competitivos, nos quais a margem para crescimento costuma ser bem pequena. Nestes casos, mitigar riscos e conter perdas é um fator imprescindível para que se consiga crescer e aumentar a lucratividade.

Fomentar esse crescimento por si só já é algo louvável e digno de comemoração — mas a mitigar riscos traz outros benefícios igualmente importantes. Vamos acompanhar alguns?

Aprendizagem organizacional

Agir na mitigação de determinado risco é uma tomada de decisão que movimenta e que mobiliza uma série de elementos dentro de uma empresa, de processos a pessoas. Lidar com tudo isso em equipe, com transparência e compartilhamento, ajuda muito na aprendizagem organizacional como um todo.

Melhora na confiança por parte dos clientes e colaboradores

Você confiaria mais em uma pessoa que age sem pensar nas consequências ou em alguém que pondera todas as situações e toma decisões melhores e mais sábias? Com empresas é a mesma coisa, refletida na relação que existe entre instituição e clientes/colaboradores.

Conquista de objetivos com maior facilidade

Mitigar riscos e diminuir perdas é uma ferramenta extra para a conquista de objetivos, sejam eles quais forem. É muito mais fácil alcançar essas metas podendo lançar mão de mais de uma estratégia do que ter apenas a opção de vender mais, por exemplo.

Melhora na identificação de oportunidades e ameaças

Quando passamos a enxergar qual o momento de “acelerar” e qual o momento de recolher os exércitos, computar danos e trabalhar para atenuar os problemas, passamos também a entender melhor o que faz bem para a saúde de nossa empresa — e, em paralelo, o que pode ser uma ameaça.

Quais são os riscos e como podem ser mitigados?

Já temos bem claros os benefícios de se mitigar riscos em uma empresa, mas pode ser que ainda existam dúvidas com relação aos tipos de riscos que, na prática, podem trazer consequências ruins e perdas para o negócio.

Vamos a partir de agora pincelar os principais riscos que uma empresa pode enfrentar e quais são as formas de mitigação desses riscos. Vamos?

Riscos operacionais

Aqui incluímos os riscos que orbitam questões relacionadas aos processos “core” da empresa. Produção, entrega, fluxo de informações, relacionamento entre pessoas e entre parceiros são fatores que entram na conta desse tipo de risco.

A mitigação de riscos operacionais é feita por meio da padronização dos processos, bem como implantação de programas de treinamento de pessoal e avaliações periódicas de melhorias.

Riscos cibernéticos

Os rumos que a revolução digital tem tomado englobam praticamente todas as instituições e empresas, e com a sua não é diferente. Praticamente toda empresa hoje tem um site, se comunica por e-mail e redes sociais, quando não utiliza serviços mais complexos, como armazenamento e aplicações em nuvem.

Conhecemos bem os riscos que envolvem questões de tecnologia: vazamentos, perda de dados, invasões, sequestro e roubo de informações e domínios são apenas alguns exemplos.

A mitigação desse tipo de risco se dá com ferramentas de segurança da informação e controle de acesso aos sistemas, dentre outras soluções.

Riscos estratégicos

Todo planejamento corre o risco de não funcionar por diversos motivos: mudança de contexto econômico, instabilidade política, problemas ecológicos, decisões equivocadas etc. As variáveis são muitas, principalmente porque, ao planejar, estamos lidando com o futuro!

Trabalhar com metas factíveis, com disciplina e uma boa dose de análise estrutural, ajudam muito a mitigar esse tipo de risco.

Riscos fiscais

Relacionados à chamada evasão fiscal e à falta de pagamento de tributos, este tipo de risco tem como um de seus pilares a intrincada, complexa e muitas vezes irracional política tributária de nosso país.

A melhor maneira de mitigar riscos fiscais é a implantação de programas internos de verificação e auditoria, para que tudo seja feito dentro dos conformes da legislação vigente.

Riscos regulatórios

Estes são da mesma natureza dos riscos fiscais, mas se encontram em um espectro mais amplo. São os riscos que envolvem o não cumprimento das legislações pertinentes à atividade-fim da empresa.

A mitigação de riscos regulatórios passa pela criação de programas de compliance que sejam transparentes e sérios, com o objetivo de manter toda a operação de acordo com o que diz a regulação das atividades.

Tecnologia: grande aliada na mitigação de riscos

Elencados os principais riscos e suas melhores formas de mitigação, temos que destas últimas se destaca a mais eficiente, que deixamos por último: a tecnologia. 

Em outras palavras, investir em soluções e ferramentas alinhadas com o que há de mais novo no mundo da tecnologia pode resolver os principais gargalos da operação e garantir assim que muitos dos riscos citados acima possam ser devidamente mitigados.

Sistemas específicos são capazes de atuar em riscos fiscais e regulatórios, em termos de automação e verificação; para os riscos operacionais, o mercado oferece uma imensa gama de plataformas e ferramentas de gestão que tornam todo o trabalho bastante facilitado.

Além disso, riscos estratégicos podem ser mitigados por meio do uso de ferramentas de BI (Business Intelligence — ou, inteligência corporativa/de negócios); e, por fim, riscos cibernéticos são muito bem mitigados com soluções de tecnologia, na mesma moeda.

Fraude é risco a ser mitigado?

Podemos dizer que fraudes em geral são parte de riscos operacionais. E a resposta é: sim! Pode e deve ser mitigado, pois trata-se de um acontecimento que traz muitos prejuízos para a empresa.

E, novamente, a tecnologia é a melhor maneira de lidar com situações de fraude. Para que você possa entender melhor sobre esse assunto, recomendamos a leitura deste artigo: Sistema antifraude: como proteger a sua empresa.

Você também pode gostar