Indicadores de desempenho o que são e como usar na sua empresa

gráfico indicadores de desempenho

Ah, se tivesse uma forma objetiva de saber se sua empresa está atingindo os objetivos… Hoje, você vai descobrir que tem. Estamos falando dos indicadores de desempenho.

Utilizados em diversos setores, essas métricas apontam os aspectos positivos do negócio e aqueles que merecem ajustes para funcionar de maneira adequada.

Nesse texto, você conhece alguns dos mais importantes indicadores de desempenho e aprende como escolher os que são os mais adequados para a sua organização. Confira!

O que são indicadores de desempenho e sua importância

Indicadores de desempenho funcionam como uma espécie de termômetro que você usa frequentemente para saber como está a “saúde” do negócio.

Trata-se, portanto, de uma medida quantitativa que aponta se a gestão da empresa está sendo eficiente. Por meio deles, a empresa adquire informações importantes para a tomada de decisões.

Essas métricas funcionam como direcionadores, como guias para as ações da empresa. Afinal, os indicadores apresentam os pontos positivos e aqueles que devem ser melhorados, de modo a colaborar com o planejamento estratégico da empresa.

Os 13 principais indicadores de desempenho

Existem inúmeros indicadores de desempenho e, muitos deles, fazem sentido para um setor e não para outros. Porém, é importante conhecer os mais comuns e aqueles aos quais mais se recorre para identificar se a organização está no caminho certo.

Apesar do caráter quantitativo desses indicadores, vamos comentar constantemente a importância de valorizar os dados qualitativos. Afinal, eles ajudam a entender melhor os objetivos da empresa.

Vamos conhecê-los?

1. Indicadores de produtividade

Esse indicador deve ser analisado com cautela, pois os números podem levar a sua empresa a cometer alguns equívocos.

Por exemplo, se entre dois funcionários há um capaz de produzir mais, os números vão indicar que um deles é mais produtivo do que o outro, certo?

Porém, você deve avaliar, também, se a entrega desses profissionais é satisfatória. Veja bem: se sua empresa considera que a qualidade é mais importante do que o número de produtos fabricados/vendidos, então o volume de entregas não necessariamente atinge os objetivos da organização.

Mas como analisar a produtividade da empresa? Você deve dividir a quantidade de produtos ou serviços pela quantidade de recursos utilizados para a produção. O resultado é o seu indicador de produtividade. 

2. Indicadores de Lucratividade

Esse é um dos primeiros que vem à cabeça dos gestores. Afinal, toda empresa tem o lucro como um dos principais objetivos. Logo, saber se a organização está sendo lucrativa é uma prioridade.

Dito isso, é importante mencionar que o cálculo desse indicador pode variar de acordo com os interesses. Pode ser, por exemplo, a margem de contribuição ou mesmo o cálculo dos ativos tangíveis e intangíveis.

Porém, de modo geral, o cálculo para mensurar a lucratividade da empresa é a divisão do lucro líquido pela receita total.

Outro aspecto a se considerar é se o lucro aumenta com o passar do tempo. Caso isso não aconteça, o negócio pode estar em vias de ficar estagnado ou em risco de não ser mais sustentável.

3. Indicadores de qualidade

Esse indicador é um dos mais importantes para a empresa, porque, para funcionar adequadamente, depende da sua visão do que são peças ou serviços em conformidade, além das regras do próprio mercado.

Para calcular esse indicador, você pode dividir o número de peças ou serviços em conformidade pelo total de peças produzidas e serviços realizados.

4. Indicadores de eficiência

Esse indicador é um dos que andam lado a lado com a produtividade e com a qualidade. Uma empresa eficiente, certamente, é produtiva e fabrica produtos/oferece serviços em conformidade.

Porém, o custo do processo produtivo é um dos fatores que prejudicam a eficiência da produção. Se a equipe usa mais recursos ou os utiliza de forma dispendiosa, isso pode tornar o custo maior do que o esperado.

Da mesma maneira acontece com o excesso de retrabalhos. Ao gerar um custo excedente, a produção pode reduzir a sua eficiência.

5. Indicadores de custos fixos

O custo fixo é aquele que você honra periodicamente, em geral todo mês. A conta de energia para a empresa funcionar, os encargos trabalhistas, os recursos para a produção estão envolvidos.

Por que é importante estar ciente desse tipo de indicador? Primeiro, para que você faça um fluxo de caixa assertivo. Segundo, para avaliar se alguns desses custos e despesas podem ser eliminados, a fim de aumentar o lucro da empresa.

6. Indicadores de faturamento

No caso do faturamento, é preciso considerar os objetivos a curto e longo prazo da empresa. Por exemplo, analisar o faturamento mensal, anual etc.

Mas antes de realizar essa verificação, vale a pena definir quais são as metas a serem atingidas nesses períodos. Caso o faturamento de algum mês não seja o esperado, você pode compensar nos próximos.

Qual a vantagem desse indicador? Tornar o negócio muito mais estratégico, já que você e a equipe vão ter objetivos claros a seguir. Além disso, vai possibilitar mudanças de rota mais acertadas.

7. Indicadores de recebimento

Receber à medida que produz é um indicador que precisa ser verificado quase diariamente. Afinal, os índices de inadimplência no Brasil são altos e você deve estar preparado para saber conduzir esse obstáculo.

Para saber se está recebendo um valor adequado, em relação à sua produção e às suas vendas, considere o custo de produtos ou serviços realizados e divida esse valor pela quantidade de pagamentos efetivamente recebidos.

Caso queira tornar esse valor positivo, procure adotar métodos de recebimento assertivos. Alguns setores encaminham mensagens de cobrança e até mesmo lembretes para os clientes avisando que a data de pagamento está chegando. 

Você também pode oferecer condições facilitadas de pagamento, como parcelamentos, PIX ou emissão de boletos.

8. Indicadores de turn over

Turn over é o indicador que revela o nível de satisfação dos colaboradores com a empresa. Se a taxa está alta, é preciso identificar quais são as queixas ou quais motivos levam os profissionais a não enxergarem a empresa como ideal para construir uma carreira.

Os motivos que fazem um profissional deixar uma organização podem ser vários, como salários incompatíveis com o mercado, falta de gerenciamento de conflitos ou até condições de trabalho insatisfatórias.

As altas taxas de turn over fazem com que a empresa tenha despesas com processo de recrutamento e seleção, mas também com o processo demissional. Além disso, a empresa como um todo precisa dedicar constantemente tempo para treinamento de novos funcionários.

9. Indicadores de crescimento de vendas

O departamento comercial sabe bem: uma coisa é prospecção, outra é negócio fechado. O indicador de crescimento de vendas, portanto, é a taxa de conversão de oportunidades em vendas efetivas.

Não podemos esquecer que esse indicador deve ser complementado com a qualidade do produto ou serviço prestado. Afinal, mais do que fechar vendas, é importante fidelizar o cliente.

10. Indicadores de ticket médio

Normalmente, quando se fala em ticket médio, estamos nos referindo ao valor médio que os clientes compram em determinado período. Por exemplo, se você faturou R$ 1000 em 10 vendas, o ticket médio da empresa é de R$ 100.

Esse parâmetro pode ajudar a definir estratégias e investimentos, pois você tem uma ideia melhor de qual seria o retorno para cada venda realizada. Além disso, pode desenhar estratégias para aumentar esse ticket, como a oferta de novos produtos ou serviços que agregam valor ao que você já oferece.

Há, ainda, o ticket médio dos colaboradores, que indica qual o valor médio de vendas de cada um dos vendedores da empresa — nem sempre o vendedor que faz mais vendas é o que traz o maior retorno.

11. Indicadores do nível do serviço de entregas

Um bom atendimento e um produto de qualidade é preciso ser entregue com agilidade e dentro de critérios de conformidade.

Como está o seu serviço de entregas? Esse indicador verifica se sua operação de transporte é suficiente para satisfazer o cliente e ajuda a avaliar a confiabilidade de seus fornecedores e parceiros de negócio.

12. Indicadores de churn

Seu cliente se interessou pelo produto ou serviço, comprou, mas, após pouco tempo, desistiu da compra? É preciso analisar o volume de desistências e os motivos. A taxa de cancelamentos é medida pelo indicador de churn.

Essa é uma das métricas que revela o nível de satisfação do cliente, pois mostra que há uma quebra de expectativas entre o que está vendendo e o que está efetivamente entregando.

Como implantar os indicadores de desempenho em sua empresa

Agora que você já conhece alguns dos principais indicadores, é preciso aprender a aplicá-los para a realidade do negócio.

Quando falamos sobre as métricas de avaliação do desempenho de uma empresa, corremos o risco de utilizá-las sem uma reflexão sobre a sua relevância para um setor ou negócio.

Isso significa que alguns deles podem não fazer sentido para a sua empresa ou mesmo não serem bem avaliados. Dados também precisam de análise qualitativa para fazerem sentido.

A seguir, segue uma “receita” para usar com habilidade os indicadores para a sua empresa:

1. Escolha os indicadores;

2. Atribua metas para cada indicador;

3. Nomeie um responsável para cada indicador;

4. Sinalize as relações de causa e efeito entre os indicadores;

5. Acompanhe os resultados sistematicamente.

E lembre-se! O importante é garantir que as métricas escolhidas calculem o resultado que sua empresa espera atingir. Por isso, antes de escolher os melhores indicadores, defina os valores da empresa e as metas que espera conquistar por período.

Você vai perceber que alguns indicadores de desempenho revelam aspectos positivos ou negativos sobre a gestão do negócio. Acesse o post “O que os indicadores de inadimplência dizem sobre o seu negócio?” e entenda!

Você também pode gostar