Como um sistema de reconhecimento facial pode aumentar a lucratividade do seu negócio

Como um sistema de reconhecimento facial pode aumentar a lucratividade do seu negócio
Como um sistema de reconhecimento facial pode aumentar a lucratividade do seu negócio

Reconhecimento facial está entre aquelas tecnologias que nos assustam de vez em quando, não é mesmo? Afinal, como será que estes sistemas conseguem fazer uma leitura do rosto de uma pessoa e validar sua identidade apenas com uma foto ou imagem?

Ao invés de assustar, vamos responder essa pergunta e trazer neste artigo informações sobre o funcionamento dessa incrível ferramenta e como cada vez mais empresas têm utilizado essa solução em seus processos.

Além disso, falaremos também sobre como os métodos atuais de reconhecimento facial podem ajudar a sua empresa a melhorar etapas de identificação e validação, além de alavancar a lucratividade da operação. 

 O que é o reconhecimento facial?

Pode parecer algo muito novo, mas as tecnologias de reconhecimento facial por meio de computação existem desde a década de 1960, quando governos e instituições de segurança começaram a trabalhar a identificação de indivíduos com tais métodos.

Tudo isso continua até hoje, mas com novos vieses voltados para negócios e inovação, principalmente nos quesitos de identificação, validação e prevenção contra fraudes.

Os métodos de reconhecimento facial atuam na identificação de padrões, formas, tamanhos, distâncias e outros aspectos físicos que compõem o rosto humano, bem como na desconstrução e decomposição dessas imagens (fotos, vídeos e imagens em tempo real) em elementos classificáveis.

A tecnologia por trás do reconhecimento facial situa-se em um hub mais amplo de métodos chamado “visão computacional”, que tem como meta prover máquinas de sentidos humanos, como reconhecer pessoas, objetos e padrões estritamente humanos.

Como funciona o reconhecimento facial?

O reconhecimento facial é composto por dois eixos de trabalho: identificação, do qual já falamos um pouco (e o mais óbvio), e verificação/análise/validação, que é  a fase em que se toma uma ação com base nos dados identificados pelo sistema.

O processo como um todo parte de um “aprendizado” oferecido ao sistema, que consiste em uma inserção inicial de dados e análises preliminares de rostos. Essa etapa confere os parâmetros necessários para que o sistema entenda quais são as características gerais e particulares de um rosto humano.

Para fins de exemplificação, tais parâmetros podem ser: contorno do queixo, distância entre olhos, nariz e boca, tamanho dos olhos e formato do rosto de forma geral. Cada item é analisado e os dados gerados ficam em um banco de dados.

Com a base de dados composta pelos parâmetros, a identificação se dá por simples comparação entre os elementos capturados da imagem a ser analisada e os mesmos tipos que constam no banco de dados do sistema.

Deep Learning e a IA no reconhecimento facial

As características que acabamos de descrever podem ter feito você, leitor, a remetê-las a conceitos muito populares hoje, como machine learning e inteligência artificial (IA). E você está correto!

Tais conceitos, junto com a tecnologia de reconhecimento facial, são também alusivos a outro termo: o deep learning, ou “aprendizagem profunda”. Trata-se de um tipo de aprendizagem de máquina voltado para o treinamento de afazeres humanos pelas máquinas.

Entre tais afazeres humanos está o reconhecimento facial do qual estamos falando, que é parte dessa rede intrincada de tecnologias que compõem a inteligência artificial. E acostume-se: veremos cada vez mais as máquinas se comportando como seres humanos, principalmente no mundo dos negócios.

Quais tipos de negócios podem se beneficiar dessa tecnologia?

Falando em negócios, passamos aqui para a parte “prática” de nossa abordagem. Reconhecimento facial, inteligência artificial e deep learnining parecem (e são) incríveis, mas como tudo isso integra modelos de negócio atuais?

Aqui entra outra palavra-chave que você já deve ter ouvido falar: automação. Muitas empresas têm investido pesado nesse quesito, e escolhido fazer uso das tecnologias de reconhecimento facial para tornar alguns processos automáticos e independentes.

Em linhas gerais, quaisquer tipos de empresas cuja operação dependa da validação da identidade do cliente, colaborador ou outro tipo de papel importante na organização, pode se aproveitar muito do reconhecimento facial.

A despeito do segmento em que a empresa atue, a automação buscada e gerada pelo reconhecimento facial tem peso especial em um tipo especial de processo: a prevenção contra fraudes. Para entender mais, veja este webinar sobre Redução de Custos com Política Antifraude:

Saiba como uma política antifraude contribui na redução de custos das empresas

Que benefícios esperar do reconhecimento facial?

Entendemos já que o reconhecimento facial têm grande potencial de agregar às organizações excelência em automação para diversos processos. Mas quais seriam, de fato, os benefícios? Confira abaixo alguns deles:

Agilidade na identificação de usuário

Um potencial cliente não precisaria aguardar a análise de um profissional para validação de identidade, que pode demorar muito tempo. Métodos de reconhecimento facial fazem essa verificação em questão de microssegundos, retornando o resultado de forma imediata.

Precisão nas análises

Os sistemas de reconhecimento facial trabalham com bases de dados ricas e com diversos parâmetros de comparação — para o rosto humano são centenas de pontos nodais analisados! E, mesmo havendo raros equívocos, estes fazem parte do processo de aprendizado da máquina, de forma muito mais eficiente do que um ser humano.

Segurança

De forma geral, um sistema de reconhecimento facial atua em função de um ambiente mais seguro, tanto para a empresa quanto para seus clientes. Ambientes estes que podem ser físicos, com controle de acesso, ou digitais, com validação de cadastros e acessos.

Credibilidade

Neste caso, a credibilidade gerada atua como consequência dos outros três benefícios que listamos anteriormente. Ou seja: uma empresa que emprega um sistema de reconhecimento facial que traga agilidade, segurança e precisão só pode acabar ganhando boa reputação no meio.

Como o uso do reconhecimento facial pode aumentar a lucratividade

Conforme pontuamos antes, empresas têm adotado diversas estratégias e ferramentas para tornar seus processos — ou parte deles, pelo menos — 100% automáticos, sem que haja a necessidade de intervenção humana.

Isso traz benefícios bastante óbvios: tornar equipes mais enxutas e diminuir o impacto da folha no orçamento da empresa, o que automaticamente gera maiores índices de lucratividade. 

Partindo disso, elencamos algumas maneiras em que o reconhecimento facial pode aumentar a lucratividade de uma empresa. Vamos lá?

Redução de gastos com pessoal

Já falamos sobre isso, mas não custa reforçar um pouco mais: as tecnologias de reconhecimento facial substituem a atuação de pessoas na identificação, verificação e validação de usuários, seja para fins de cadastro, acesso, concessão de benefícios, entre outros.

Processos mais ágeis e confiáveis

Um sistema de reconhecimento facial demora microssegundos para realizar todo o processo e fazer a liberação do usuário, com níveis altíssimos de precisão. 

Ou seja: contratempos com usuários como desistências, cancelamentos e até mesmo incursões na Justiça podem ser mitigados com a utilização de um sistema de reconhecimento facial robusto.

Conveniência para o cliente

Tem a ver também com a agilidade da qual falamos anteriormente, mas a palavra “conveniência” é mais adequada neste caso.

Clientes que têm a possibilidade de fazer compras, pagamentos ou transações afins apenas utilizando o reconhecimento facial tendem a não colocar oposições a tomar este tipo de decisão — ou seja, gastam mais. E garantem à empresa maiores lucros!

Integração com outros sistemas

Grande parte das soluções de reconhecimento facial disponíveis possuem módulos de integração com os principais e mais utilizados dispositivos de segurança. Este fato permite grande economia em processos de implantação e desenvolvimento específico de integração.

Combate à fraude

Acredite: trabalhar a prevenção contra fraudes, principalmente as que envolvem crimes financeiros nos meios digitais, é algo que vai evitar uma perda substancial de recursos, seja de forma direta (subtração de valores) ou indireta (processos movidos por clientes lesados).

E, como sabemos, levar esses números para a planilha traz enorme felicidade, pois o resultado da conta é: lucro!

Aliás, sistemas antifraude em geral têm sido uma ótima alternativa que as empresas têm encontrado para tornar seus ambientes cada vez mais seguros. Quer saber mais? Clique e leia o artigo: Sistema antifraude: como proteger a sua empresa.

Você também pode gostar