Marketing de Dados: como melhorar a sua estratégia?

Marketing de Dados: como melhorar a sua estratégia?

As redes sociais e os celulares aceleraram a geração de dados. Tudo o que fazemos atualmente na internet gera informações acerca de nosso perfil, estilo e preferências. Por meio delas as empresas podem otimizar suas tomadas de decisão e obter resultados cada vez mais assertivos. Essa realidade é o que conhecemos como marketing de dados.

O recurso possibilita a criação de estratégias altamente segmentadas e com grande potencial de conversão. Se antigamente o marketing era baseado em informações gerais como sexo, idade e faixa etária, hoje é possível obter respostas ainda mais apuradas, como hábitos de consumo, interesses online, idade e características de filhos e cônjuges. 

Nas mãos certas essas informações são como ouro. Entenda aqui o que é o marketing de dados e suas vantagens. Confira as dicas e ferramentas ideais que farão de você um grande minerador!

O que é o marketing por dados?

O marketing de dados é a estratégia que utiliza soluções, técnicas e ferramentas para tratar informações gerais e sociais do público. Esses dados podem vir por meio de clientes, do mercado ou da própria empresa.

Podemos estruturá-lo em três pilares básicos: tecnologia, análises e visão de negócios. A junção dessas vertentes produzem insights, ações e tomadas de decisão mais relevantes para o negócio e para a construção de um relacionamento sólido entre a empresa e o consumidor.

O volume de dados que podem ser acessados na estratégia é enorme. Um estudo elaborado pelo instituto americano IDC afirma que o número de dados produzidos no mundo dobra a cada dois anos. Atualmente existem mais de 500 quatrilhões de informações armazenadas digitalmente, classificadas como:

  • dados primários (First Party Data) — gerados a partir da própria empresa por meio do seu site, aplicativos, CRM e outros. Conhecidos também como dados estruturados;
  • dados secundários (Second Party Data) — dados comprados de outras fontes, geralmente de empresas parceiras dispostas a compartilhar ou comercializar informações. Estes são os dados semiestruturados
  • dados terciários (Third Party Data) — informações disponíveis em sites e provedores de dados abertos na internet que compartilham estatísticas sobre comportamento, hábitos e preferências dos consumidores. Em outras palavras, são dados não estruturados.

Essa última categoria é uma das mais utilizadas dentro da estratégia de dados, pois gera um enriquecimento nas informações e conhecimento mais detalhado dos próprios clientes. Em outras palavras, uma das funções dos dados terciários é alimentar os dados primários da empresa.

Quais as diferenças entre marketing digital e marketing de dados?

Há quem ainda os trate como sinônimos. Também não tem como negar que o marketing digital é uma grande fonte de dados na sociedade moderna. O marketing de dados, contudo, ultrapassa as barreiras da web, permitindo análises de dados mais ricas e relevantes.

Utiliza as três fontes de informação juntas — o marketing digital é uma delas — cruza, relaciona e analisa esses dados, levando a empresa a tomar suas decisões com base nele. Entenda a seguir o que compõe cada um:

Infográfico explicando a diferença entre o marketing digital e o marketing de dados.

Quais as vantagens de utilizar essa estratégia?

O universo de aproveitamento de dados é bastante amplo, capaz de nortear segmentos de mercado inteiros. O mesmo pode acontecer dentro das empresas, orientando e facilitando todas as ações, processos e decisões de negócio. 

Podemos dizer em função disso que os usos e benefícios do marketing de dados são inúmeros, até mesmo infinitos. Separamos a seguir os principais deles para que você tenha uma noção real do que estamos falando.

Acesso a informações privilegiadas

O uso combinado das três origens de dados — primários, secundários e terciários — aliados a uma boa estratégia de análise, permite acesso a informações diferenciadas acerca do público, da economia e do mercado. Provavelmente o seu concorrente não as tem.

Eficiência nos gastos com mídia e publicidade

Uma das maiores dúvidas dentro dos setores de marketing é saber qual o melhor canal de aquisição para investir e incrementar suas estratégias de marketing digital. É preciso direcionar os recursos em plataformas sociais que geram melhor retorno da audiência. 

Como anunciar no Google? Qual o formato de mídia preferido pelo meu público? O marketing de dados transmite maior assertividade nessas escolhas, fazendo com que a empresa obtenha o melhor número de vendas e/ou leads com um mesmo orçamento.

Conversar na linguagem do público

Pouco adianta segmentar bem a campanha se a mensagem não vai de encontro com a forma de pensar e interesses dos futuros compradores. 

A utilização de dados e preferências do público alvo permitem à empresa compreender e desenvolver uma mensagem que realmente cause impacto, chamando a atenção das pessoas para a sua solução, ou conteúdo.

Agilidade nas análises

O marketing de dados pode ser orientado por diversas ferramentas de análise e automação de dados. Esses recursos facilitam a conversão de números em análises mais próximas e pertinentes ao negócio.

Ganho de diferenciais competitivos

A verdade é que quanto mais informações o seu negócio tem, mais poderoso ele fica. Quem conhece a fundo os seus clientes e prospects e desenvolve soluções de acordo com suas dores e expectativas, ganha maior destaque dentro do mercado de atuação.

Escalabilidade

O uso das estratégias e dados do marketing digital elevou o alcance das empresas. Negócios locais, com operações mais compactas, puderam expandir suas vendas em escala nacional e internacional. Sem os canais digitais e o cruzamento de dados isso não seria possível.

Prever padrões e tendências

Quem lida com dados percebe a ocorrência de padrões, situações passadas cuja tendência é se repetirem ao longo do tempo. Esse é o princípio da análise preditiva, que busca parametrizar as tendências de consumo e comportamento futuras, buscando os caminhos mais adequados para as empresas transformarem essas informações em oportunidades

Um exemplo mais comum e conhecido disso são as ações voltadas às épocas de sazonalidade, como a Black Friday. Uma boa estratégia de marketing de dados, avalia os padrões do público nos eventos anteriores, as influências ao longo do ano corrente e consegue delimitar as melhores ações para maximizar as vendas no período.

Cultura data driven

Também não há como negar outra tendência do marketing: a de usar termos rebuscados para definir coisas simples. Uma delas é o data driven, que nada mais é do que dirigir a empresa com base em dados e informações concretas.

Muitos gestores ainda não internalizaram a ideia aos valores e diretrizes de suas organizações. O feeling e a vivência de mercado ainda têm seus papéis nas decisões, porém, construir um negócio permeado por dados tende a ser mais sustentável e vantajoso ao longo do tempo. Essa cultura se inicia muitas vezes com o marketing de dados.

Como fica o recurso com a entrada da LGPD?

Quando tratamos dados lidamos também com a vida, liberdade e intimidade dos seres humanos. É fundamental, portanto, agir de forma ética e responsável durante a coleta de dados no marketing. 

Se antes esses critérios estavam restritos ao senso comum, agora temos uma lei para delimitá-los. A Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e o marketing são variáveis que não podem mais ser dissociadas, sendo necessário o entendimento pleno dela por parte de profissionais e gestores da área.

A LGPD delimita 10 hipóteses que legitimam o uso, tratamento e compartilhamento de dados pelas empresas. Aqui na Assertiva, por exemplo, baseamos nossas soluções e banco de dados nos princípios do legítimo interesse e na proteção do crédito.

Caso a empresa não se enquadre em nenhuma delas, existe ainda o caminho do consentimento, ou seja, o titular dos dados pode autorizar a coleta de suas informações. Essa liberação pode ser obtida mediante uma mensagem de aceite e um termo de consentimento, que deve estar disponível no site da organização. 

Outra opção é contar com empresas especializadas em gerar, solicitar e gerenciar essas permissões. Com elas, a equipe de marketing continua se concentrando na análise de dados. Cabe lembrar, entretanto, que nem todas as organizações precisam desse tipo de estrutura.

Em função disso, é importante realizar previamente um estudo das bases legais da LGPD que estão atreladas ao seu modelo de negócio. Após, elaborar também um projeto de adequação e só então fazer as correções, contratações e mudanças necessárias. 

Quais as nossas dicas para a aplicação do marketing de dados na sua empresa

A essa altura você já entendeu o que é o marketing por dados e quanto sua empresa tem a ganhar com ele. Chegou a hora então de colocar um pouco dessas informações em prática e, para isso, seguem alguns toques para você aproveitar ainda mais o recurso. 

Entenda como trabalhar os dados

É fato que sua empresa está gerando, coletando e armazenando dados o tempo todo, em todos os setores. O que você precisa delimitar, logo de início, é quais dessas informações serão ou não relevantes para sua estratégia de marketing.

Esse processo vai agilizar a análise de dados e permitir a obtenção de insights mais focados no que o negócio realmente precisa. É relevante também que esses dados passem pelos seguintes processos:

  • extração: obtenção do dado por uma fonte estruturada, semiestruturada ou não estruturada, conforme vimos lá no início do artigo;
  • organização: limpeza, identificação, validação e armazenagem dos dados. Também podemos definir a etapa como a criação de clusters de agrupamento;
  • compreensão e análise: vem após estruturação dos dados. Verifica e cruza informações, seguindo a avaliação e acompanhamento dos KPI’s pertinentes;
  • tomada de decisão: definição dos direcionamentos ideais, baseados na análise de dados.

Não perca as métricas de vista

Construir um marketing orientado por dados consiste também em avaliar rotineiramente os resultados que ele gera. CTR (taxa de cliques), CPC (custo por clique), LTV e ROI por campanha são apenas alguns dos KPI’s que você deve analisar para compreender a efetividade e os rumos a serem tomados na estratégia adotada.

Potencialize a estratégia com boas ferramentas

Não há como analisar e gerir um alto volume de dados sem ter uma estrutura adequada. Da mesma forma que um minerador precisa de uma broca específica para garimpar determinado minério, o marketing de dados se potencializa conforme boas soluções são agregadas.

Construa um time sólido

O marketing moderno é movido por dados e tecnologia, mas também por uma alta dose de habilidade e engajamento. Ter uma equipe qualificada é a maneira certa de alinhar o setor aos objetivos da empresa. Além disso, proporciona melhores insights e aproveitamento dos recursos, inclusive das informações.

Quais as ferramentas que facilitam a jornada?

Cada lançamento de uma nova solução ou tecnologia é visto com grande euforia dentro do marketing, uma vez que um único recurso pode revolucionar a estratégia da empresa, até mesmo de um nicho inteiro. Outras são básicas de tal modo que a estratégia não existiria sem elas. Confira algumas!

Banco de dados + ERP + CRM

O trio é decisivo dentro de uma cultura de dados. Sem ele, informações preciosas da empresa e dos clientes podem se perder ao longo do tempo. Sem essas informações bem gerenciadas e armazenadas, ações práticas do gerenciamento financeiro, apuração de custos e processos de vendas e atendimento podem ser comprometidas.

O CRM, responsável por gerenciar informações de relacionamento com clientes, pode ser substituído por uma planilha ou outro tipo de controle, caso prefira. Só não deixe de gerenciá-las.

Enriquecedores de dados 

Um banco de dados desatualizado se torna um entrave dentro da análise de dados. Utilize ferramentas que realizam a higienização e substituição dessas informações. Uma delas é o Base Certa da Assertiva, que permite também o enriquecimento da base cadastral.

DMP 

As DMP’s são plataformas de gerenciamento de dados. O que elas fazem basicamente é extrair informações do CRM da empresa e, em seguida, enriquecem e segmentam as informações desse público. Depois, ativam esses dados em plataformas de mídia, distribuindo das campanhas mais estratégicas e personalizadas.

Big Data

Enquanto a DMP utiliza dados primários da empresa, as soluções de Big Data são mais focadas no tratamento de dados genéricos, não estruturados. Com a análise de Big Data é possível cruzar dados e obter informações ainda mais apuradas dentro do marketing de dados.

Geomarketing

O geomarketing é a ferramenta (ou estratégia) que adéqua os dados de marketing ao seu contexto geográfico. Em outras palavras, permite não apenas saber como o seu cliente e público pensa, mas também onde está localizado.

Para tal é preciso inserir o recurso de localização dentro das estratégias de campanhas e, com isso, enviar uma oferta tentadora no momento em que o lead estiver nas proximidades da sua loja.

O marketing de dados é uma fonte valiosa de informações, mas precisa ser utilizado da maneira correta. Esse direcionamento é obtido não somente com boas ferramentas, mas quando a empresa obedece às boas práticas de uso e tratamento de dados. Utilize-o para gerar melhores resultados e descolar sua empresa da concorrência.

Inclua a geolocalização na sua estratégia de dados

Falamos brevemente do geomarketing como ferramenta estratégica dentro do marketing orientado por dados. Para utilizá-lo de maneira assertiva é preciso antes entender como funciona a geolocalização e suas possibilidades. 

Clique aqui e confira um artigo em que falamos detalhadamente dessa tecnologia e sua relação com o crescimento das vendas!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você também pode gostar